Blog do Prisco
Manchete

A eleição e as eleições no contexto do impeachment

Nesta terça-feira, a sessão da Assembleia Legislativa marca a primeira das 10 que compõem o prazo estabelecido para que Moisés da Silva, Daniela Reinehr e Jorge Tasca (Sec. de Administração) apresentem suas contrarrazões à acusação de crime de responsabilidade que embasa o pedido de impeachment.

As estratégias de defesa ainda não estão claras. Por exemplo, haverá demandas judiciais antes mesmo das argumentações dos acusados serem entregues ao Legislativo? A defesa vai acelerar e entregar o material antes do prazo de 10 sessões? Ou aguardará até o limite do que foi determinado? Neste caso, poderia o governador ter mais tempo para sensibilizar parlamentares de que a cassação da chapa vencedora em 2018 poderá desaguar numa eleição indireta se ela se efetivar a partir de janeiro de 2021.

Daí sairíamos de mais de 5 milhões de eleitores para apenas 40 deputados aptos a escolherem o novo comandante da nau catarinense.

 

Biônico

 

Em 2020, voltarmos a falar em govenador biônico é um retrocesso. No regime militar, tivemos três eleitos pela Assembleia Legislativa. Aqui em Santa Catarina, foram indicados Colombo Salles – que foi um dos melhores governadores da história, juntamente com Celso Ramos, eleito pelo voto direto em 1960 -; e aí outros dois que representavam a clássica oligarquia estadual: Antônio Carlos Konder Reis e seu primo, que o sucedeu, Jorge Konder Bornhausen.

Não há mais clima nem espaço para este tipo de encaminhamento.

 

Colegiado

 

Ainda nesta semana, a Alesc deve escolher os nove deputados que vão apreciar a representação contra Moisés, Daniela e Tasca na primeira fase do processo. E certamente a peça irá ao plenário, onde pode chegar em meados de setembro. Daí os acusados terão de contar com pelo menos 14 deputados para barrar o impedimento. Já seus adversários terão que assegurar 27 votos para afastar os três por 180 dias até a análise final do impeachment.

 

Imprevisível

 

É impossível cravar qualquer prognóstico hoje. Moisés da Silva está se movimentando, articulando e liberando efetivamente emendas parlamentares em profusão. E até conversou com seu adversário do segundo turno em 2018, o ex-deputado Gelson Merisio (PSDB).

 

Cavalo de pau

 

Numa clara mudança de rota, o governador vem sinalizando que pode abrir espaços no colegiado para deputados. Inclusive para a Casa Civil (cargo vago desde o desembarque de Amandio da Silva Junior), onde um progressista poderá assumir. Para contrariedade total e absoluta de Esperidião Amin. Aliás, dos três parlamentares do PP na Alesc, apenas o filho do senador, João Amin, não está alinhado ao Centro Administrativo. Zé Milton e Altair Silva estão bem próximos de Moisés.

 

Quadro extremo

 

Um componente no quadro atual. O Procurador-Geral de Justiça, Fernando Comin, deu um aperto no governo porque a crise política estabelecida não pode servir de álibi para o enfraquecimento no combate ao Covid19. Tanto é assim que ontem a Comissão Especial da Assembleia para a pandemia iria reunir novamente prefeitos, lideranças e o secretário de Estado da Saúde, André Motta Ribeiro. Ele já alertou que até o fim do mês, os óbitos podem  triplicar no território catarinense. E a deputada Ada de Luca trouxe outro dado digno de preocupação: 42% das mortes por coronavírus em Santa Catarina foram registradas nos últimos 15 dias.

foto>Secom, arquivo, divulgação

Posts relacionados

Plenário aprova resoluções com novas datas de eventos das Eleições Municipais de 2020

Redação

Diretores de associação de classe aceitam renúncia de Zimmer Júnior

Redação

Justiça Federal determina afastamento de Gean Loureiro da prefeitura por 30 dias

Redação