Blog do Prisco
Manchete

A polêmica fusão Eletrosul-CGTE

Ainda não terminou a novela da fusão da Eletrosul com a companhia gaúcha CGTE, solução encontrada depois que o ministro Onyx Lorenzoni, gaúcho da gema, havia articulado o caminho inverso, com a nanica e falida empresa do estado vizinho absorvendo a gigante federal que tem sede em Florianópolis.

A assembleia geral da Eletrosul está marcada para esta sexta-feira, 30, quando serão avaliados e votados os laudos contábeis das duas empresas. Vale lembrar que o Fórum Parlamentar Catarinense fez grande pressão em Brasília e assegurou a permanência da Eletrosul no território estadual.

O novo presidente da elétrica, general Antônio Carlos Nascimento Krieger, começa a perceber algumas dificuldades nesta equação que visa a fundir as duas companhias.

Até porque, no último semestre – o primeiro de 2019 – a Eletrosul registrou lucro de R$ 265 milhões. Na contramão, a CGTE amargou prejuízo de R$ 341 milhões no mesmo período. São números difíceis de fundir.

Sindicato no circuito

No viés judicial, mais dificuldades à vista. A Intersindical dos eletricitários acionou a Justiça Federal. Pede antecipação de tutela para impedir que a incorporação ocorra antes que o Senado realize audiência pública para discutir a proposta. A data do evento na Câmara Alta ainda não foi definida.

Duas energias

Outro diferencial enorme entre a Eletrosul e a CGTE: a primeira produz energia limpa e sustentável, ao contrário da companhia gaúcha.

Posts relacionados

Colapso rodoviário afeta agroindústria de SC

Redação

Obras de usina de biogás da Eletrobras CGT Eletrosul avançam em Santa Catarina 

Redação

Irani registra receita de R$ 394,47 milhões no segundo trimestre

Redação