Blog do Prisco
Manchete

A polêmica fusão Eletrosul-CGTE

Ainda não terminou a novela da fusão da Eletrosul com a companhia gaúcha CGTE, solução encontrada depois que o ministro Onyx Lorenzoni, gaúcho da gema, havia articulado o caminho inverso, com a nanica e falida empresa do estado vizinho absorvendo a gigante federal que tem sede em Florianópolis.

A assembleia geral da Eletrosul está marcada para esta sexta-feira, 30, quando serão avaliados e votados os laudos contábeis das duas empresas. Vale lembrar que o Fórum Parlamentar Catarinense fez grande pressão em Brasília e assegurou a permanência da Eletrosul no território estadual.

O novo presidente da elétrica, general Antônio Carlos Nascimento Krieger, começa a perceber algumas dificuldades nesta equação que visa a fundir as duas companhias.

Até porque, no último semestre – o primeiro de 2019 – a Eletrosul registrou lucro de R$ 265 milhões. Na contramão, a CGTE amargou prejuízo de R$ 341 milhões no mesmo período. São números difíceis de fundir.

Sindicato no circuito

No viés judicial, mais dificuldades à vista. A Intersindical dos eletricitários acionou a Justiça Federal. Pede antecipação de tutela para impedir que a incorporação ocorra antes que o Senado realize audiência pública para discutir a proposta. A data do evento na Câmara Alta ainda não foi definida.

Duas energias

Outro diferencial enorme entre a Eletrosul e a CGTE: a primeira produz energia limpa e sustentável, ao contrário da companhia gaúcha.

Posts relacionados

Militares avaliam proposta do governo nessa quinta-feira durante assembleia

Redação

Pandemia do Coronavírus leva 148 mil pessoas ao desemprego em SC

Redação

Indústria catarinense cresce 10,1% em julho e avança acima da média nacional

Redação