Blog do Prisco
Destaques

Armistício federal

Finalmente uma agenda produtiva e uma boa notícia para o país a partir da nova reunião virtual entre o presidente da República, os governadores e os presidentes da Câmara e o Senado.

O tom foi dos mais amistosos entre os convivas, inclusive nas manifestações recíprocas entre Jair Bolsonaro e João Dória.

Demonstração clara que está em curso uma tentativa de pacificação do ambiente político a partir de Brasília, o que é fundamental nesta hora de cruzada do país e do mundo contra o coronavírus.

O presidente da República foi muito claro: ele tem condições de sancionar, com vetos, o projeto aprovado no Legislativo e que vai liberar cerca de R$ 60 bilhões de ajuda a estados e municípios.

Sociedade aplaude

Agora há um item que o chefe da nação deve vetar e o fará com o aplauso da imensa maioria dos brasileiros: a proibição de reajustar salários do funcionalismo público das três esferas até o fim de 2021. Bolsonaro declarou-se a favor do necessário congelamento e, que, portanto, deve vetar o dispositivo imposto pelo Parlamento.

Atrevimento

Evidente que não é minimamente razoável, plausível conceder aumento a servidores públicos no contexto atual.

Mas tinha governadores já se assanhando neste sentido. Vejam só o grau de petulância, de atrevimento, de ousadia de alguns eleitos deste país.

Economia em frangalhos

Sobretudo se considerarmos que oito milhões de trabalhadores da iniciativa privada tiveram o salário cortado ou o contrato suspenso. No geral, as previsões apontam que 73% dos empregados serão atingidos de alguma maneira pelos efeitos colaterais da pandemia.

Coronavoucher

Outros 51 milhões de brasileiros estão acessando o auxílio emergencial de R$ 600 que começou em abril. E que tem previsão de durar três meses (maio e junho) Já se fala na necessidade de se prorrogar a ajuda até setembro. Só que a partir de julho o valor cairia para R$ 200,00. O ministro Paulo Guedes (Economia) já avisou que a viúva não tem caixa para segurar os R$ 600,00 mensais para além do trimestre previsto.

Sem chance

Ou seja, não há argumento algum a favor de majoração de salários de servidores nesta hora aguda e extrema.

Sintonia federal

Mas para que o veto presidencial anunciado hoje seja mantido no texto final, será preciso que Maia e Alcolumbre apoiem, de fato, a iniciativa e que os governadores pressionem suas bancadas federais nesta direção.

Se isso ocorrer, o dinheiro tem tudo para ser liberado ainda em maio.

Emendas

O deputado estadual Dr. Vicente Caropreso (PSDB) esteve reunido com o novo secretário da Casa Civil, Amandio João da Silva Junior. Ele cobrou a liberação das emendas impositivas apresentadas pelos deputados para área da saúde. O secretário garantiu que todas as emendas relativas ao ano de 2019 serão liberadas até 31 de maio. O encontro ocorreu no gabinete do deputado na Assembleia Legislativa.

Pontes

A deputada Marlene Fengler (PSD) quer que o governo estadual esclarece se existe risco de colapso das estruturas das pontes Pedro Ivo e Colombo Salles, que ligam a ilha e a parte continental da Capital. Diagnóstico apresentado pela empresa RMG Engenharia em fevereiro deste ano, após inspeção visual que em laudo constatou “armadura com alto índice de corrosão, armadura rompida em algumas regiões, e armadura não aderente ao concreto em alguns pontos”.

Posts relacionados

Kleinübing e Capella formam dupla afinada e se destacam neste início de governo Colombo

Autor

Lançada candidatura de Murilo Flores

Autor

Hélio Costa buscará recursos para novo sistema de informática do Hospital Infantil

Redação