Blog do Prisco
Destaques

Arrancada poderá ter 200 casas rumo à Espanha

O lançamento do consórcio CS Amurel para exportação de Casas de Madeira ocorreu esta semana, a partir dos esforços do Sindicato da Indústria da Madeira e do Mobiliário da Amurel (Sindimad), Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc), Secretaria de Desenvolvimento Econômico de Santa Catarina, Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), prefeitura de Tubarão por meio da secretaria de Desenvolvimento Econômico e de cinco empresas madeireiras de Tubarão e Jaguaruna. O ato foi realizado na Associação Empresarial de Tubarão (Acit) e reuniu várias lideranças políticas e empresariais da região.

Outro ponto forte do evento foi quando o presidente do Consórcio, o empresário Rogério Menegaz, aproveitou para revelar que o grupo está em negociação com a Espanha de 200 exemplares.

O consórcio busca qualificar e preparar indústrias do setor madeireiro para exportação de casas pré-fabricadas e melhorar a expansão do mercado e faturamento das empresas como uma importante forma de incremento de arrecadação.

Na foto: Professor Mauri Heerdt, reitor da Unisul, empresário Edson Antonio, presidente da Acit, prefeito Joares Ponticelli, Rogério Búrigo, empresário Alex, vice-presidente da Fiesc, secretário Lucas Esmeraldino (Desenvolvimento Econômico) e o deputado Volnei Weber (MDB), de São Ludgero.

Lideranças repercutem lançamento

“Esta integração de forças prova que uma importante forma de almejar o crescimento de nossas empresas, não é competir entre si, mas somar forças”, destaca o vice-presidente da regional Litoral Sul da Fiesc, Alexsandro da Cruz Barbosa, enaltecendo ainda a “Internacionalização”, um dos principais pilares defendidos pela nova gestão da Fiesc.

Já o presidente do Sindimad, Izair Olavo Nandi, comemora a concretização da ação que, por ser pioneira no setor em Santa Catarina, além de ser motivo de olhar atendo, deverá ser modelo em muitos setores industriais Estado afora.

Para o prefeito de Tubarão, Joares Ponticelli, o empreendimento coletivo tem o diferencial de ser ecologicamente correto. “A iniciativa é muito positiva porque agrega valor a um produto ecologicamente correto, que é a madeira de reflorestamento e que não amplia o desmatamento de florestas nativas. Além disso, agrega valor, pois a madeira bruta tem pouco valor econômico e desenvolvendo um novo modelo de negócio que sai do solitário e da disputa individual para o solidário e para o empreendimento coletivo. Não tenho dúvidas de que esse modelo que o setor madeireiro produziu vai inspirar outros setores da economia fazendo com que cada um possa cumprir o seu papel de desenvolver cada vez mais a nossa cidade e a nossa região”, profetiza Joares.

Por fim, o secretário de Desenvolvimento Econômico de Santa Catarina, Lucas Esmeraldino, garante total suporte do governo do Estado à iniciativa. “Desde que fomos procurados pelos empresários e representantes de entidades para a formação do Consórcio, não protelamos o andamento do projeto que foi assinado nesta noite. Agora, é trabalhar e fazer este associativismo crescer cada vez mais. De nossa parte, não mediremos esforços para ajudar”, finaliza.

Posts relacionados

Fiesc divulga moção de apoio a deputados que aprovaram a terceirização

Autor

Fatma concede licença para alargar faixa de areia em BC

Autor

Terrenos de marinha: “topa tudo por dinheiro”

Autor