Blog do Prisco
Image default
Destaques

As costuras de Bauer, Amin e Kleinübing

Não passa uma semana em Brasília (exceção óbvia ocorrerá agora por conta do recesso parlamentar) sem que o trio Paulo Bauer (PSDB), Esperidião Amin (PP) e João Paulo Kleinübing (PSD) não se reúna para passar em revista o cenário político com vistas ao pleito do ano que vem.

Embora Kleinübing esteja no PSD, a sintonia entre ele e o governador do PP é finíssima e inclinada para uma possível candidatura a governador do líder tucano.

A afinidade entre Amin e Kleinübing vem de décadas. Começou em 1978, quando o pai de João Paulo, o ex-governador Vilson Kleinübing, coordenou a campanha do pepista a deputado federal.

Em 1982, Amin foi ao governo, venceu e Vilson foi eleito o deputado federal mais votado daquele ano.

Quatro anos depois, o então deputado federal concorreu ao governo pelo PFL, apoiado por Jorge Konder Bornhausen. Amin lançou Amílcar Gazaniga. Mas apesar das idas e vindas, os dois sempre estiveram próximos e mantiveram uma convivência política.

Renúncia

Já em 1994, Vilson Kleinübing renunciou ao governo e disputou o Senado. Era para ser na chapa encabeçada por Esperidião Amin, mas na última hora o pepista decidiu disputar a presidência, lançado a esposa Angela candidata a governadora.

Palanque

Bornhausen (PFL), por sua vez, liderou outra chapa. Principalmente para dar palanque a Fernando Henrique Cardoso em Santa Catarina. Sabia que as chances de vitória sobre a própria Angela ou Paulo Afonso Vieira, do PMDB, eram diminutas.

Senado

Kleinübing disputou o Senado pelo PFL da mesma maneira e trabalhou muito mais por Angela do que pelo correligionário JKB. Por pouca ela não venceu aquele pleito, mas contabilizados os votos, Paulo Afonso foi o eleito.

 Camarote

Evidentemente que João Paulo, hoje deputado federal, acompanhou várias dessas passagens de “camarote.” E a exemplo do pai, mantém proximidade com Esperidião Amin.

Aliás, Amin, João Paulo,  assim como o próprio Jorge Bornhausen, podem acabar se aliando a Bauer. Raimundo Colombo pode compor também. Pelas mãos de JKB, que voltou a ser o conselheiro número um do governador depois da morte de LHS.

Dobradinha

Paulo Bauer foi vice-governador de Esperidião Amin entre 1999 e 2002.

Isolamento

Todas essas articulações podem acabar isolando o PMDB. Principalmente se PSDB, PSD, PP e o PSB de Paulo Bornhausen estiverem juntos. Também porque o PT já anunciou que na hipótese de segundo turno, estará onde o PMDB não estiver. Os petistas não engolem o impeachment de Dilma Rousseff e a consequente ascensão de Michel Temer.

Na trincheira

Evidentemente que neste contexto há o fator Gelson Merisio. O pré-candidato está mobilizadíssimo, atraindo partidos, fazendo reuniões e percorrendo o Estado. Se lá adiante ele perceber que a composição é o melhor caminho, um acordo com Bauer não está descartado.

Trânsito

Como líder do PSDB no Senado, Bauer aprimorou ainda mais o excelente trânsito que já tinha com os principais caciques tucanos. Ou seja, aumentou sua influência. E embora não esteja na presidência da seção catarinense da legenda, ele pilotará, como já está fazendo, as conversações acerca das alianças.

Posts relacionados

Na Câmara dos Deputados, em Brasília, MPSC promove análise sobre pontos da Reforma da Previdência

Fabian Oliveira

Acordo entre PMDB e PT pode levar Djalma Berger à presidência da Eletrosul

admin

ANÁLISE: SC É BAIXO CLERO EM BRASÍLIA

Autor