Blog do Prisco
Coluna do dia

Bola rolando

Até o fechamento da coluna, os deputados estaduais ainda não haviam definido a presidência e a relatoria da Comissão Especial do impeachment na Assembleia Legislativa. Mas o colegiado já estava com todos os nomes indicados e pronto para dar o pontapé inicial desta fase do campeonato que pode definir a linha do poder em Santa Catarina na próxima década.

Caberá a este grupo de parlamentares o primeiro crivo sobre o pedido de impeachment apresentado pelo defensor público Ralf Zimmer Júnior. A eles também caberá a primeira análise das respectivas contrarrazões de Moisés da Silva, Daniela Reinehr e Jorge Tasca (secretário de Administração).

O grupo é majoritariamente oposicionista. Cinco parlamentares são declaradamente contrários ao governador e ao governo. Outros quatro não são aliados de primeira hora, mas mantém alguma proximidade com o Centro Administrativo. A conferir como o quarteto (Moacir Sopelsa, Sérgio Motta, Fabiano da Luz e Luiz Fernando Vampiro) vai se comportar. Como a oposição tem maioria, só mesmo uma surpresa inimaginável para que a acusação não passe pela comissão especial. O destino da peça parece fadado ao plenário da Alesc.

Contingente

No plenário da Casa, será analisada a admissibilidade do impeachment.  Em caso de 27 deputados concordarem em dar sequência ao processo, o governador e a vice serão afastados preventivamente por 180 dias. Caso valha o rito definido pela Alesc, modificado pelo desembargador Luiz César Medeiros e restabelecido pelo ministro Luiz Roberto Barroso em liminar concedida recentemente.

Como a defesa do governador apresentou reclamatória ao próprio Barroso, o magistrado terá que se posicionar novamente, mas dificilmente anulará seu despacho anterior para mudar o entendimento.

No páreo

Prefeito de Lages, Antônio Ceron, contrariando algumas projeções e especulações de bastidores, confirmou ao colunista que é candidatíssimo à reeleição. Está animado com as perspectivas de recondução a partir do trabalho realizado desde janeiro de 2016.

Ceron vê com naturalidade a eventual candidatura da deputada federal Carmen Zanotto.

Histórico

O prefeito lembra que a cidade tem um histórico de não respaldar candidaturas de federais ao paço municipal. Nestas horas, o lageano costuma puxar o freio de arrumação para não perder o representante no Congresso Nacional.

Aconteceu lá em 1988, na sucessão de Raimundo Colombo, quando Paulo Duarte, que o havia antecedido, quis voltar à prefeitura. O vencedor acabou sendo o então vereador Fernando Agostini, o Coruja.

Outra vez

Já neste século, o próprio Coruja, já a bordo de um mandato de deputado federal, decidiu disputar novamente o cargo de prefeito. Não obteve êxito e acabou assistindo à recondução do prefeito Renatinho.

Cruz e espada

Esse histórico eleitoral em Lages pode ser uma advertência para Carmen Zanotto. É uma excepcional parlamentar, mas que também começa a se preocupar com sua permanência em Brasília. Ela cumpre o terceiro mandato consecutivo e lá em 2022, tudo indica que terá concorrência do ex-governador e ex-senador Raimundo Colombo, que deve ser candidato a deputado federal.

Competência

Defesa do presidente da Alesc, Júlio Garcia, sofreu nova derrota no contexto da Operação Alcatraz, desencadeada no dia 30 de maio do ano passado. O advogado César Abreu tentou, junto à juíza federal Janaina Cassol Machado, que as investigações fossem transferidas para a Justiça Estadual. Hoje, a condução do processo é da alçada federal. A magistrada não aceitou o pleito de César Abreu.

Posts relacionados

Prévias no PMDB

Autor

Ponto e Contraponto

Shirlei Demetrio

Acabou a trégua

Autor