Blog do Prisco
Image default
Manchete

Buligon com um pé e meio no DEM

Luciano Buligon foi a Brasília nesta quarta-feira. Viajou acompanhado do ex-deputado federal João Paulo Kleinübing, presidente do DEM Barriga-Verde.

Eles tiveram duas conversas estratégicas na agenda. A primeira, pouco antes do meio-dia, foi com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, o demista de maior visibilidade nacional neste início de 2019. Maia convidou Buligon para assinar ficha na legenda.

Na sequência, os dois catarinenses foram até o presidente nacional do Democratas, o prefeito de Salvador, ACM Neto (centro na foto de capa). O baiano reiterou ao chapecoense que o DEM está de portas abertas e que ele será muito bem-vindo ao partido.

Vale lembrar que Luciano Buligon foi expulso do PSB na campanha eleitoral do ano passado. O prefeito de Chapecó declarou apoio a Jair Bolsonaro ainda no primeiro turno e foi retirado dos quadros pessebistas por decisão unilateral do presidente nacional, Carlos Siqueira.

Papel estratégico

Caso se confirme a chegada do alcaide ao DEM, fica evidenciado um movimento de independência de Buligon. Essa articulação demista deixa claro que o prefeito de Chapecó agora busca seu próprio caminho.

Espaço

Até pela força do cargo que exerce, de prefeito da maior cidade do Grande Oeste, passada a eleição, Luciano Buligon transformou-se na mais importante liderança política da região, que engloba 95 municípios e reúne 2 milhões de eleitores.

Rearranjo

O prefeito de Chapecó embarcando no DEM estará concretizado o segundo grande movimento de  mudança partidária neste começo de ano em Santa Catarina. O primeiro foi o desembarque de Napoleão Bernardes do PSDB.

Paulo Gouvêa da Costa (dirigente do DEM-SC), Jackson Castelli (segundo vice-presidente do DEM-SC), Paulo Henrique Dalago (prefeito de Bombinhas), Kleinübing, Maia e Buligon

 

 

 

 

 

Posts relacionados

Em nota, diretor defende continuidade da SC Par

Fabian Oliveira

Peninha inicia campanha para redução da maioridade penal

Fabian Oliveira

Sindifisco repudia mudanças que favorecem corruptos

Fabian Oliveira