Blog do Prisco
Image default
Coluna do dia

Cobalchini e Sopelsa no freezer

Definitivamente, a bancada estadual do MDB não quer saber dos deputados Valdir Cobalchini e Moacir Sopelsa. O primeiro estava se ensaiando, com o apoio do segundo, para colocar o bloco na rua e disputar a presidência estadual do partido.

O ensaio nem bem começou e os outros sete deputados da legenda na Alesc já lançaram o nome do novato Fernando Krelling para presidir a seção estadual do MDB. Claramente, o grupo está empurrando Cobalchini e Sopelsa para fora das hostes emedebistas.

Os dois já nem participam mais das reuniões da bancada. Dá pra dizer que, literalmente, o MDB tem sete deputados na Alesc.

O problema é sair do partido. “Se não tiver janela, eles ficam com meu mandato”, resumiu Sopelsa. Ou seja, os dois estão marginalizados na sigla e sem perspectiva de migrar para novo endereço.

 

Renovação

O apoio da bancada a Fernando Krelling é emblemático. Jovem e no primeiro mandato, ele representa a renovação no MDB. Sua ascensão também fortaleceria internamente seu padrinho, o prefeito de Joinville, Udo Döhler. Por consequência, a movimentação enfraquece Eduardo Moreira e Dário Berger.

 

Origem

Sem falar que Krelling é da terra de Luiz Henrique da Silveira, duas vezes governador e falecido no exercício do mandato de senador.

Resta saber se Cobalchini manterá sua pré-candidatura à presidência do MDB. Depois dessa, dificilmente. Outros dois pré-candidatos são os deputados federais Carlos Chiodini e Celso Maldaner. Dário Berger anda quieto, mas é óbvio que mira o comando partidário embora não tenha e nunca teve perfil de construtor de partido.

 

De saída

Gelson Merisio está de saída do PSD. Segundo interlocutores, a decisão foi tomada depois que o presidente nacional do partido, Gilberto Kassab, editou resolução determinando que não haverá convenção nos Estados onde a sigla ficou menor.

Foi a forma que encontraram para defenestrar Merisio do comando e do próprio partido.

 

PP ou PSDB

Ele já identificou o cenário e avalia os convites e pode assinar ficha no PP ou no PSDB. Sem mandato depois de ter disputado o segundo turno ao governo, o ex-deputado pode migrar de legenda a qualquer tempo.

A dúvida gira em torno dos aliados de Merisio que têm mandato. Como o deputado estadual Kennedy Nunes. Vinculado ao ainda presidente do PSD, o parlamentar quer sair da legenda. Mas não poderá bater asas se não houver a janela para trocas partidárias sem o risco de eleitos perderem os mandatos. Ninguém vai se arriscar a deixar seus endereços atuais sem a abertura da janela.

 

Assim não dá

Deputado estadual Vicente Caropreso está cobrando uma definição sobre o futuro do PSDB, leia-se troca de comando na presidência e a renovação da executiva e do diretório estadual. O parlamentar está incomodado com o ambiente de indefinição. Ele teve uma conversa franca sobre essa situação com o prefeito de Criciúma, Clésio Salvaro, hoje uma das maiores lideranças do partido no Estado.

 

Com Doria

A partir da movimentação de Caropreso, ficou estabelecido que no dia 2 de abril os tucanos mais emplumados de Santa Catarina vão discutir os rumos do PSDB-SC com o governador de São Paulo, João Doria.  Segundo Caropreso, não dá para esperar a convenção de agosto.

Posts relacionados

Duodécimo dos poderes na pauta

Shirlei Demetrio

Duas frentes

Shirlei Demetrio

Governo acabou

Autor