Blog do Prisco
Image default
Manchete

COFEM contra elevação de carga tibutária

A revogação dos decretos 1867 e 1860, que aumentam o ICMS sobre uma série de produtos, inclusive da cesta básica, foi defendida pelas entidades que integram o Conselho das Federações Empresariais de Santa Catarina (COFEM) como pauta prioritária. A manifestação foi feita em evento da Secretaria de Desenvolvimento Sustentável (SDS), realizado nesta segunda-feira (4), em Florianópolis, pelas federações das indústrias (FIESC), do comércio (Fecomércio), da agricultura (FAESC), dos transportes (Fetrancesc), das associações empresariais (FACISC), dos dirigentes lojistas (FCDL) e das micro e pequenas empresas (Fampesc).

Em outro encontro, realizado na sequência, as entidades empresariais também manifestaram preocupação com o grupo de trabalho criado pelo governo do Estado para discutir os incentivos fiscais e do qual participam formalmente apenas representantes do poder público.

“Incentivo fiscal não é sinônimo de renúncia fiscal. O estado precisa dar condições para que o setor produtivo possa ser competitivo. Então, esperamos que o governador Moisés chame o setor produtivo para discutir a política de incentivo fiscal, que é fundamental para que Santa Catarina possa continuar crescendo acima da média nacional, como tradicionalmente vem fazendo. É uma discussão importante e queremos contribuir”, disse o presidente da FIESC, Mario Cezar de Aguiar. “Reitero a posição da FIESC, que toda a legislação que mexe em tributos afeta a sociedade, o empreendedor e o desenvolvimento. Precisamos estar atentos”, disse o presidente da FACISC, Jonny Zulauf.

O presidente da Fecomércio, Bruno Breithaupt, lembrou que os incentivos são responsáveis pela vinda de uma série de empresas, pela movimentação dos portos e de diversas cadeias produtivas fundamentais para a economia catarinense. “Não é o momento de aumentar impostos. Estamos saindo de uma grave crise. Leve ao governador a necessidade de revogar esses aumentos”, disse, dirigindo-se ao secretário Esmeraldino.

Além das manifestações de sindicatos de trabalhadores da indústria, também trabalhadores da agricultura já se posicionaram contra os decretos 1860 e 1867, editados em dezembro, informou o presidente da FAESC, José Zeferino Pedrozo. “Revogar esse decreto seria um ato que traria tranquilidade a Santa Catarina.  Não queremos privilégios. Só não queremos perder nossa competitividade para outros estados”, disse. Sem a revogação, os aumentos de carga tributária oscilam de 41% a 142% e abrangem diversas mercadorias produzidas pela indústria catarinense. Representada pela vice-presidente institucional, Rosicler Dedekind, a Fampesc corroborou as manifestações.

Ivan Tauffer, presidente da FCDL disse que as mudanças na área tributária levam muitos microempresários a desistirem de empreender. Alan Zimmermann, da Fetrancesc, observou que o setor de cargas já perdeu o incentivo pró-carga e disse que 67% das rodovias catarinenses são consideradas péssimas ou ruins, o que inviabiliza ou encarece o transporte.

O secretário Lucas Esmeraldino projetou que em quatro anos podem ser viabilizados pelo menos R$ 14 bilhões em investimentos, considerando projetos no âmbito do Prodec, Investe SC e Programa SC+Energia. “Vai ser nosso compromisso a geração de emprego, renda e desenvolvimento. Nossa gestão quer fazer isso de maneira rápida. E vamos precisar de todas as federações juntas. Iniciamos esse primeiro diálogo para fazer a nossa demonstração. A Secretaria é responsável por vender Santa Catarina e queremos fazer isso com competência. O desafio é atrair mais investidores e valorizar quem já está aqui e quer aumentar seu empreendimento”, disse.

Índice de performance econômica

Na reunião, a FACISC também apresentou o Índice de Performance Econômica das regiões de Santa Catarina (Iper). Ele revela que o estado de Santa Catarina cresceu 8,07% no período de janeiro a setembro de 2018 se comparado ao mesmo período em 2017.

Posts relacionados

Presente de grego!

Fabian Oliveira

ACI aponta falta de decoro de deputada que atacou jornalista

Fabian Oliveira

Reformas na pauta

Fabian Oliveira