Blog do Prisco
Coluna do dia

Coluna do dia

As tendências no PMDB

Dando sequência às análises de conjuntura no contexto dos cinco maiores partidos de Santa Catarina, iniciada na edição de ontem após a convenção do PSD, hoje a coluna avalia o quadro interno do PMDB. O primeiro quadrimestre foi  turbulento no ambiente peemedebista. A bancada estadual se rebelou, os prefeitos chiaram e a bancada federal se sensibilizou com as reclamações contra o tratamento dispensado pelo governo e o PSD ao maior aliado. A situação se deteriorou a ponto de Eduardo Moreira ir para a imprensa chutar o balde. Na sequência, chegou-se a cogitar o retorno imediato do vice-governador ao comando partidário. Após a morte do ex-senador Luiz Henrique, as peças estão se ajustando. As conversas não param, mas o foco mudou. O partido deixou de externar suas divisões e encrencas para buscar um mínimo de unidade. Evidentemente que, mesmo sem alarde, o próprio Moreira e Mauro Mariani tendem a se fortalecer no espólio de LHS. Já Dário Berger enfrenta dificuldades, apesar do mandato de senador. Berger não tem história no partido, não carrega a marca do MDB na visão da militância e das lideranças. Ainda mais quando se trata de buscar o apoio de pessoas que eram ligadas a Luiz Henrique, talvez o catarinense que mais encarnou o espírito do velho Manda Brasa.

 

Correndo por fora

Quem corre por fora no PMDB é o prefeito de Joinville, Udo Döhler. O nome do PMDB para 2018 não deve fugir deste quarteto (Moreira, Mariani, Berger e Udo). O mandatário joinvilense é político novo, mas já é um homem experiente, de mais de 70 anos. Significa que falta ao maior partido de Santa Catarina o emblema da renovação pelo viés da juventude.

 

 

Fora de cena

Quem poderia assumir o papel de renovação peemedebista atendiam pelos nomes de  Elizeu Mattos (afastado da prefeitura de Lages) e Edson Piriquito (sumido e que se aproxima do fim dos oito anos de mandato sem ter se tornado um líder político forte na região do Litoral Norte). O deputado Valdir Cobalchini, presidente estadual em exercício do PMDB, pode ser uma aposta no médio prazo, de 2022 em diante.

 

 

Revoada

O PSDB comunicou oficialmente, esta semana, sua saída do governo de Udo Döhler. Significa o fim da aliança dos tucanos com o PMDB na terra do falecido Luiz Henrique. O partido tem duas opções: apoiar Darci de Matos (PSD), o mais provável, ou lançar cabeça de chapa em 2016.

 

 

Divisão no PSDB

Dentre as várias articulações em curso no PSDB, uma delas sugere que Paulo Bauer e Marcos Vieira poderiam dividir o próximo mandato na presidência do partido. Um ano para cada um. Bauer não deve aceitar. Ele vem dizendo que outros presidentes, incluindo Leonel Pavan (que se aliou a Vieira) e Dalírio Beber, tiveram a oportunidade de se reeleger e cumprir quatro anos na proa da legenda.

 

 

Merísio e os Amin

Reeleito, sem sobressaltos, para presidir o PSD, o deputado Gelson Merísio vai procurar, na semana que vem, o casal Angela e Esperidião Amin. Na pauta, a eleição de 2016 na Capital e as projeções para 2018, quando PSD e PP podem estar casados. O noivado seria a aliança em Florianópolis.

 

 

Cenário

Na segunda-feira que vem, as bancadas estadual e federal do PP têm reunião para avaliar o atual contexto político.

 

 

Educação

Vice-presidente da Alesc, o deputado Aldo Schneider (PMDB) levou o prefeito de Vidal Ramos, Laércio Cruz, e o secretário regional de Ituporanga, Elias Souza, ao secretario estadual de Educação, Eduardo Deschamps. O trio solicitou, com urgência, recursos para reforma e ampliação de unidades escolares na região.

Posts relacionados

Contra o relógio

Autor

Paciência se esgota

Autor

Fabiana Rodrigues avalia candidatura

Autor