Blog do Prisco
Image default
Notícias

Defensoria comemora manifestações de reconhecimento

Santa Catarina reconhece a importância social da Defensoria Pública do Estado. Uma prova é que recentemente em Chapecó, a Câmara de Vereadores do município, aprovou, por unanimidade uma moção que parabeniza a Instituição, pelo trabalho desenvolvido para a comunidade chapecoense. Uma ação que vai além dos gabinetes.
É acesso a justiça gratuita  que beneficia  a população carente, na área do direito das famílias, defesa penal, bem como do acesso a medicamentos, direito à moradia, saúde e promoção de cidadania.
A Defensoria  Pública do Estado contabilizou até o final de 2017 a assistência de 500 mil catarinenses carentes. Em 2016 foram mais de 200 mil pessoas.
Outro fato que chama atenção para a sensibilidade da sociedade catarinense ao papel social da Defensoria Pública de Santa Catarina foi manifestação popular favorável em 91% ao PLC/030.2/2017,visando aumentar o número de cargos de Defensor Público, que está tramitando na Assembleia Legislativa para análise desde 19 de setembro de 2017, quando foi protocolado pelo então Defensor Público-Geral, Ralf Zimmer Junior, juntamente com a sub Defensora Pública-Geral, Ana Caroline Cavalin, atualmente Defensora Pública-Geral da Instituição(foto).
A  proposta da Instituição, via emenda aditiva,  é de criar 238 cargos de Defensor Público. Pois, com um total de 358 defensores públicos, a Defensoria Pública de Santa Catarina acredita que vai oferecer assistência jurídica gratuita para toda a população carente dos 295 munícipios catarinenses.  Desse modo, a Instituição ganha musculatura e dá um passo importante para assistir toda a população carente catarinense.
Entre as justificativas para essa iniciativa, algumas situações foram enumeradas como  a oposição da OAB-SC aos atos regulamentares de credenciamento expedidos pela Defensoria Pública; as negativas de atendimento pelos advogados nomeados e suas consequências para o efetivo acesso à Justiça; a multiplicação de ações civis públicas com pedido para a implementação da Defensoria Pública nos municípios; o ônus gerado pela aplicação da remuneração pretendida pela OAB-SC é maior do que a manutenção da Defensoria Pública.
A recente posse de 19 Defensoras e Defensores Públicos Substitutos já tem destino selado. Irão reforçar mais uma força tarefa em prol da superlotação do sistema penitenciário catarinense.Com a chegada desses profissionais, a Instituição passa a contar com um total de 117 defensores. Quadro ainda pequeno para uma Instituição que tem como objetivo assistir a população carente do Estado, estimada em 3 milhões de habitantes. Santa Catarina foi o último Estado a instalar o órgão em 2012.
Só para se ter uma noção de comparativos, pegando como exemplo de um defensor titular que realiza em média, por mês, 53 audiências de instrução e julgamento, 15 audiências de custódias e duas sessões de júri, apenas essas três atuações se forem realizadas por advogados dativos nomeados custariam aos cofres públicos cerca de R$ 90.500 ,00 mil por mês.
“ Por isso lutamos pela valorização da carreira do Defensor e de sua importância para a sociedade”, afirma o presidente da Associação dos Defensores Públicos do Estado, doutor Edson Schimitt.

Posts relacionados

Ana Paula cobra pagamento das parcelas em atraso do transporte escolar

Autor

Prazo para rever listagem de espécies restritas para pesca no Sul e Sudeste

Autor

Maior evento da advocacia catarinense irá movimentar economia de Criciúma

Autor