Blog do Prisco
Manchete

Deputado na mira

Cresce no ambiente interno das bancadas estadual e federal do PL o desejo de provocar o expurgo de Jorge Goetten dos quadros partidários.
Vale lembrar que ele, tendo tido o número 2222 nas últimas eleições, alcançou 150 mil votos. Um resultado expressivo, favorecido pela numeração.
Também não se deve desconsiderar a ligação do deputado com Jorginho Mello. Já na campanha eleitoral, Jorge Goetten, que é empresário, mantinha uma longa relação de proximidade com o senador.
O atual governador não deixou a presidência do PL estadual. E, se depender exclusivamente dele, a expulsão, via Conselho de Ética do PL, não ocorrerá.
Primeiro, porque Jorginho não deseja perder um deputado federal. Seis federais foram eleitos em 2022.
Muito provavelmente, o chefe do Executivo estadual entrará nesse circuito para desarmar a ofensiva contra Goetten.

Dissonância

Dos seis federais, vale lembrar, apenas ele não assinou o pedido de impeachment de Lula da Silva. E foi barrado no trio elétrico de Jair Bolsonaro, por ordem do próprio, na Avenida Paulista, no domingo passado.

Fio da navalha

O deputado, que tem votado com o PT na Câmara, precisará reavaliar suas posições. Até porque, nos bastidores, já aumentam os ecos sobre negócios no contexto de sua empresa que estariam prestes a ser contemplados pelo governo federal. Goetten é um homem de negócios.

Tradição

Virou moda em Brasília, aliás, o balcão de negócios na Câmara dos Deputados. Tudo começou em 1998 com a mudança na legislação — via PEC — para permitir a reeleição de Fernando Henrique Cardoso.

Só alegria

De lá para cá, a festa continua. A única mudança foi no governo Bolsonaro. A criação do orçamento secreto o livrou da convivência com figuras inescrupulosas do Congresso.

Primeira linha

Tanto é assim que o ex-presidente montou um ministério técnico. Como surgiu o mensalão? Pela relação promíscua do governo do PT com deputados que recebiam mesada para votar a favor do Planalto.

Saque

Depois tivemos o petrolão, com a nomeação de apadrinhados de deputados e senadores que saquearam e quase quebraram a Petrobras.

O Brasil voltou

A saga continua. Dos 140 deputados que já assinaram o pedido de impeachment, muitos devem retirar as assinaturas.

Bolada

Na semana passada, Lula, em reunião com Arthur Lira e as lideranças da Casa, acenou com a liberação bilionária de emendas aos deputados.
Além de cargos.

Chantagem

Na outra frente, a ameaça, a chantagem. Os da base que assinaram o documento podem sofrer retaliações e passar a ser tratados a pão e água.
É uma festa democrática. O Brasil voltou. Voltou muito pior do que se poderia imaginar, com absolutamente tudo girando à base do toma lá dá cá no Planalto Central.

Posts relacionados

Sargento Lima, do PL, apoia novo movimento social em SC

Redação

Deputado Marcos da Rosa irá apoiar Professor Well em Itajaí

Redação

Deputado Gilson Marques abre edital de emendas parlamentares para 2025

Redação