Blog do Prisco
Destaques Notícias

Dilma: entre a ponte, a realidade e a crise

A Ponte de Laguna é uma antiga reivindicação dos catarinenses. Foi construída de maneira rápida pela magnitude,
denotando eficiência em sua execução. Será (ainda não foi aberta ao tráfego) fundamental para desafogar o trânsito e levar mais desenvolvimento para a região Sul do Estado.

dilma ponteJá é um novo cartão-postal do Estado. Tudo verdade.
E tudo viabilizado com dinheiro público, arrecadado por uma das maiores cargas tributárias do planeta. E mesmo com esta versão Século 21 da derrama, o país está em seríssimas dificuldades econômicas (como a própria Dilma admitiu, dizendo: “hoje, estamos passando por dificuldades econômicas, mas quero dizer pra vocês que tem gente que diante da dificuldade, desiste.”), políticas e morais. Estas duas, a inquilina do Planalto finge não ver.
A presidente, por ora, só admite a existência dos problemas na seara econômica. E usou a inauguração da Ponte Anita Garibaldi (o ufanismo, aliás, é um capítulo à parte) como a concretização da capacidade de reação do brasileiro; e do seu governo, claro.
A realidade é que ponte não significa reação a absolutamente nada. É uma obra necessária, um mínimo de retorno para uma população sacrificada pela sanha do poder público, onde emanam regalias, distorções, esquemas e desvios de toda a sorte.

RECADO À OPOSIÇÃO

Logo depois de ser comparada à Anita Garibaldi pelo governador Raimundo Colombo, que entregou à presidente uma estatueta da heroína, Dilma pegou o microfone. Desta vez, o discurso foi lido, para evitar arroubos filosóficos e desconexos da mandatária, que aproveitou a exposição para mandar um recado à oposição. A ex-guerrilheira voltou a falar dos “últimos 13 anos. Essa ponte faz parte dessa construção de capacidade de reagir. Podem ter certeza, o Brasil irá voltar a crescer, gerar cada vez mais pontes como essas, gerar empregos, contar com sua população trabalhadora.” Dilma disse mais. Ao admitir a crise no bolso da população, emendou: “Tem gente que, diante da dificuldade, desiste.” Atenção, tucanos e aliados oposicionistas que defendem o impeachment. A petista manda avisar que não vai jogar a toalha. Até porque, a crise política, que ela sabe que existe, está sendo contornada mediante a concessão de cargos estratégicos, como a presidência da Eletrosul, agora à disposição de Djalma Berger (PMDB).

Na foto: Manoel Dias (ministro do Trabalho), Raimundo Colombo, Dilma Rousseff e Antônio Carlos Rodrigues (Transportes).

Foto: Palácio do Planalto, divulgação

Posts relacionados

Mello propõe dois projetos de lei no combate ao Corona

Redação

Polêmica do ICMS na pauta desta terça na Alesc

Autor

Carmen Zanotto participa do lançamento do programa Médicos pelo Brasil em Brasília

Redação