Blog do Prisco
Últimas Notícias

Empresa catarinense aposta em usina solar para produzir energia limpa e mais barata

Dezesseis unidades do Grupo Geração vão se beneficiar do projeto 

A grave crise hídrica enfrentada atualmente pelo Brasil, e o consequente aumento nas contas de energia elétrica tem impulsionado ainda mais o setor de energia solar 

fotovoltaica. No ano passado o crescimento em relação a 2019 já mostrava números expressivos, com um aumento de 64% na capacidade instalada de projetos solares. E os dados divulgados pela Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSOLAR) sobre o primeiro semestre de 2021, confirmam essa tendência, eles mostram um aumento de 44% de novas adesões de consumidores à modalidade se comparado ao mesmo período de 2020.

Produzir energia limpa e mais barata foram fatores determinantes para que o grupo de concessionárias de veículos Geração, um dos maiores de Santa Catarina, investisse na construção de uma usina solar. “A escassez de recursos hídricos cada vez mais latente, e o alto custo da energia elétrica, nos incentivaram a procurar por alternativas de energia limpa e renovável, contribuindo para o meio ambiente e para o bolso”, afirma o diretor do Grupo Geração, Evandro Elias de Carvalho.

A usina em Biguaçu, na Grande Florianópolis, deve começar a operar em setembro e representar uma economia anual de cerca de 220 mil reais. Ela atenderá às 16 unidades de venda da empresa, em 8 cidades, em 100% da sua necessidade de energia.  “Os sistemas de energia fotovoltaica proporcionam redução de até 95% na conta de energia elétrica, além de não ser poluente”, explica Dilsonei Rigotti, gerente da área de energia solar da Quantum Engenharia. Com 30 anos no mercado, o grupo Quantum é referência em desenvolvimento e gestão de iluminação pública, sistema solar fotovoltaico, subestações e redes de distribuição de energia elétrica, estando presente com projetos em Santa Catarina e em mais nove estados brasileiros. “O retorno financeiro do investimento foi um critério profundamente analisado, e à época da decisão já demonstrou ser favorável, claramente acima de 8 anos sentiremos no bolso a melhora, e atualmente com os aumentos constantes de custos da energia elétrica certamente este retorno foi reduzido”, completa Evandro.

Foto crédito: Divulgação/Quantum