Blog do Prisco
Manchete

Facisc emite sinal de alerta para economia catarinense

O Índice de Performance Econômica das Regiões de Santa Catarina (IPER-SC) registrou crescimento de 0,18% entre o primeiro trimestre de 2019 em relação ao último trimestre de 2018. “Nos últimos 11 trimestres este é o segundo pior resultado registrado na economia catarinense nesta base de comparação. Outro aspecto a se considerar é que na comparação do IPER-SC acumulado em 12 meses a performance econômica vem demostrando uma tendência de queda”, explica o economista da Federação das Associações Empresariais de Santa Catarina – Facisc, Leonardo Alonso Rodrigues.  Mais um fato relevante é que Santa Catarina cresceu 1,74% no primeiro trimestre de 2019 em relação ao mesmo período de 2018. Nesta base de comparação, este crescimento foi maior apenas do que o do primeiro trimestre do ano de 2016, ano de grande retração na economia e que Santa Catarina registrou queda de -13,90%.

Para o presidente da Facisc, Jonny Zulauf, apesar desses resultados não serem satisfatórios, ainda assim, Santa Catarina acumula nos últimos 12 meses (até março de 2019) um crescimento de 5,16%. “Com isso, não se pode considerar que o estado atravessa uma queda tão vertiginosa, mas o sinal que se acende é claro, de um alerta para a economia catarinense”, pondera Zulauf.

Crescimento Regional

Entre as regiões do estado, as que registraram maior crescimento no primeiro trimestre de 2019 em relação ao último trimestre de 2018 foram as regiões do Oeste (2,25%) e Sul (0,93%). Por outro lado, as que tiveram queda foram as regiões Noroeste com (-5,46%) e Meio Oeste (-0,04%), sendo o resultado estadual de 0,18%. As outras regiões apresentam os seguintes dados: Extremo Oeste (0,20%), Serra Catarinense (0,24%), Planalto Norte (0,76%), Alto Vale (0,24%), Vale do Itajaí (0,79%), Norte (0,22%), Grande Florianópolis (0,63%), Extremo Sul (0,16%).

Perspectivas para 2019

O ano de 2019 é um ano desafiador como um todo para a economia nacional, no qual se pauta grandes reformas que o país precisa enfrentar e que carrega grande peso sobre a direção e o movimento econômico futuro do país, e por consequência, de Santa Catarina também. Com avanços ocorridos principalmente em 2017 e 2018 no estado de SC, propulsor de uma recuperação mais célere do que o ocorrido na economia nacional, é possível que em 2019 ainda se mantenha em algum grau esse fator de destaque frente ao que o país atravessa.

“A tendência para os próximos meses para a economia de Santa Catarina é o de atenuar de alguma forma esse movimento de queda registrado nos últimos meses, porém, não capaz de promover um crescimento maior em 2019 dos que já foram obtidos nos dois últimos anos”, explica o economista. O presidente da Facisc, Jonny Zulauf, alerta que é necessário trabalhar em conjunto para a recuperação da economia. “É questão primordial e prioritária que possamos construir a base e a estrutura para um crescimento vigoroso e principalmente que seja sustentável no longo prazo tanto no país como em Santa Catarina.

Metodologia estatística do IPER-SC

A construção do IPER foi dada pela metodologia de análise de componentes principais utilizando 13 variáveis com relação direta de atividade econômica classificadas em 5 categorias. Para o ajuste sazonal foi utilizado o procedimento de X12 – ARIMA.

O Iper

O Iper é um índice econômico inédito em Santa Catarina. Tem como objetivo produzir uma estimativa trimestral da movimentação econômica das regiões do estado de Santa Catarina e do estado como um todo. O Iper foi criado a partir de indicadores relevantes que possuem relação direta com a movimentação econômica das regiões do estado, como: movimentação bancária, consumo de energia, movimentação do comércio exterior, movimentação do emprego, e movimentação da frota de veículos. “O índice é resultado de cinco grupos de informações e 13 variáveis de dados”, esclarece o economista da Facisc, Leonardo Alonso Rodrigues.

Para a criação do índice foram adotados alguns critérios para a seleção das variáveis escolhidas como: informações que possuam relação com atividade/movimentação econômica (exemplo: emprego), informações de fontes confiáveis, informações que possuam frequência mensal e/ou trimestral de divulgação e que possuam publicação a nível municipal (para agregação regional).

Para que serve o Iper/SC?

Segundo o economista Leonardo Alonso Rodrigues o Iper-SC auxilia no planejamento e tomada de decisões para o setor empresarial, e para o setor público serve como acompanhamento e monitoramento da evolução  da economia local, para a mensuração dos impactos de investimentos, intempestividades e seus resultados sobre a economia local, também serve para atender às associações empresariais (ACIs) com informações de abrangência local, e pode ser utilizado como referência em todas as regiões de Santa Catarina.

 

Posts relacionados

A construção da política de incentivos fiscais

Redação

Prorrogado pagamento dos tributos federais do Simples Nacional

Redação

Fiesc divulga pesquisa sobre o impacto da crise no emprego, vendas e produção

Redação