Blog do Prisco
Image default
Notícias Últimas

Faesc apoia “selo” para identificar e valorizar alimentos artesanais

         A criação e regulamentação de um selo para identificar e assegurar a origem e a qualidade dos alimentos artesanais tem o apoio da Federação da Agricultura e Pecuária de Santa Catarina (Faesc). A criação do selo está prevista na Lei Federal 13.680, editada em 15 de junho de 2018 para facilitar a comercialização de produtos artesanais em todo o Brasil.

         A norma resultou de articulação junto ao Congresso Nacional da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). Ela alterou a Lei nº 1.283, de 18 de dezembro de 1950, para dispor sobre o processo de fiscalização de produtos alimentícios de origem animal produzidos de forma artesanal.

         Uma das inovações é a criação de selo único com a indicação ARTE que vai impulsionar a produção de alimentos artesanais e tradicionais. Agora, os produtores de alimentos artesanais poderão vender seus produtos em todo território nacional.

         O principal benefício é que a lei permitirá a comercialização interestadual de produtos alimentícios produzidos de forma artesanal, com características e métodos tradicionais ou regionais próprios, boas práticas agropecuárias e de fabricação, desde que submetidos à fiscalização de órgãos de saúde pública dos Estados e do Distrito Federal.

Na avaliação do presidente José Zeferino Pedrozo (foto), “o selo se constituirá em fator de agregação de valor. Sua regulamentação permitirá identificar e autorizar a comercialização interestadual de alimentos de origem animal produzidos de forma artesanal. Dará ao consumidor segurança de que o processo de produção é realizado de forma artesanal, que respeita características e métodos tradicionais ou regionais próprios, que atende às boas práticas agropecuárias e de fabricação e que tem segurança sanitária.”

         O dirigente realça que os alimentos artesanais são produzidos em escalas reduzidas, com ingredientes naturais de primeira linha e podem conter ou não receitas tradicionais de família, representando importante fonte de renda para famílias rurais. O setor artesanal envolve muitos produtos, entre eles queijos, conservas, compotas e bebidas como no caso do vinho, entre outros.

         REGULAMENTAÇÃO

O presidente explica que a prioridade, agora, é a elaboração do decreto de regulamentação da nova lei  que efetivamente atenda as necessidades e características específicas dos produtores rurais. O Ministério da Agricultura – por meio das secretarias de Inovação, Desenvolvimento Rural e Irrigação (SDI) e da Defesa Agropecuária (SDA) –  trabalha em conjunto com a CNA e outras entidades na regulamentação do selo.

A Faesc enfatiza que, nesse processo, é essencial garantir a inocuidade, sanidade, qualidade e identidade desses produtos, além de fortalecer a relação com órgãos estaduais de defesa

Posts relacionados

Chiodini escapou de levar vaia na votação de MP

Autor

Partido Novo articula formação de grupos de trabalho em SC

Autor

Governador Colombo recebe diretoria da Aresc

Autor