Blog do Prisco
Coluna do dia

Liderança que racha

Como não vinha encontrando saída para o vácuo na liderança governista na Assembleia – fato inédito até onde a memória alcança – depois da saída de Maurício Eskudlark (PL), Moisés da Silva acabou apelando para a aliada pedetista Paulinha da Silva. Que aceitou a missão sem consultar a direção do partido, sinal inequívoco de pode estar batendo em retirada das hostes do PDT, legenda pela qual ela milita há muito tempo e pela qual chegou a trabalhar no Ministério do Trabalho nos governos Lula da Silva e Dilma Rousseff. O PDT, como se sabe, era aliado de primeira hora do PT.

Quando renunciou à prefeitura de Bombinhas, a hoje deputada entregou o comando da cidade  ao vice à época, Paulo Mueller, que está mapeadíssimo para assinar ficha no próprio PSL, conforme confirmou o presidente estadual do partido, deputado federal Fábio Schiochet. O mesmo caminho pode e deve ser seguido pela própria Paulinha. Schiochet não confirma, diz que a missão e o foco estão na eleição municipal de 2020, mas parece o caminho “natural” a migração dela para o PSL.

Ser ou não ser?

O PSL, aliás, se interiorizou e filiou 18 prefeitos e sete vices em evento na presença do governador, do secretário Douglas Borba e do deputado Onir Mocellin, sábado, em São José.

E agora o PSL de Santa Catarina precisa encontrar uma entidade: apareceu para o cenário na onda Bolsonaro, de direita. Moisés da Silva tem manifestado claras afinidades esquerdistas e está distante do presidente. Afinal, este PSL-SC que está em mutação é de direita, de centro de ou de esquerda?

Chapa quente

Manoel Maneca Dias, uma das figuras mais proeminentes do trabalhismo nacional, um dos grandes interlocutores de Leonel de Moura Brizola, convocou reunião de emergência do comando pedetista catarinense para esta terça. O ambiente é carregado. Ao Blog do Prisco, o líder partidário declarou que a decisão de Paulinha, de aceitar a liderança do governo, foi “uma afronta ao partido.”

Previdência

A proposta de Reforma da Previdência estadual, enviada pelo governo à Alesc e que já tramita, também é um problema neste contexto do PDT. O partido sempre foi contra as mudanças. Posicionou-se nacionalmente contrário ao texto aprovado no Congresso. Com Paulinha de líder governista e outro deputado estadual do partido, Rodrigo Minotto, em sintonia com o governador, será possível alinhar as posições e os interesses? A conferir os desdobramentos.

Em tempo

Vai na contramão da história a postura de Maneca Dias de não apoiar a reforma da Previdência.

Trio

Antes de Paulinha aceitar a liderança do governo na Alesc, Moisés da Silva convidou Luiz Fernando Vampiro, do MDB, partido pelo qual o governador demonstra grande afeto. Mas os ex-governadores emedebistas vetaram a empreitada. Outro emedebista, Valdir Cobalchini, foi sondado. Anda, contudo, meio deslocado da bancada e da vida partidária e não vingou. Por fim, havia se iniciado um namoro com Zé Milton, do PP, que acabou se aproximando mais do presidente da Alesc, Júlio Garcia, e também pulou fora da liderança do governo no Parlamento estadual.

Gatos pingados

Chamou a atenção o baixíssimo número de pessoas que compareceram ao ato do govenador Moisés da Silva, em Laguna, ontem de manhã, quando ele lançou a licitação para a dragagem do canal da barra e outras melhorias ao terminal, agora estadualizado. O valor prometido pelo governo foi de R$ 4 milhões. A maioria eram de servidores ligados às lideranças.

Oposição

Deputado da cidade e ainda no PSL, Felipe Estevão foi designado por Júlio Garcia para representar a Alesc. Como já tinha compromissos pré-agendados, o parlamentar e seu time não apareceram, esvaziando o evento. Na semana passada, Estevão ocupou a tribuna do Parlamento e das redes sociais para cobrar melhorias e atenção ao Porto Pesqueiro.

Posts relacionados

Ninho em chamas

Autor

Senado em jogo

Autor

Reforço tucano

Autor