Blog do Prisco
Notícias Últimas

Luciane defende retirar SC Seguro e SC Futuro do projeto do governo sobre a previdência

A deputada Luciane Carminatti defendeu, durante audiência pública realizada na Assembleia Legislativa para debater a previdência pública estadual, que se discuta agora apenas a questão do desconto da alíquota dos 14% sobre o salário dos aposentados e que se deixe a divisão dos fundos SC Seguro e o SC Futuro para outro momento.

Ela pediu para o presidente do IPrev, Vânio Boing, levar a demanda para o governador e para o relator do Projeto de Lei Complementar do Executivo (PLC) 31/2023, deputado Pepê Collaço (PP), que converse com os líderes das bancadas na Alesc. O PLC deve ir à votação na próxima terça-feira (19) no plenário.

“Vamos discutir os 14%, que o debate está mais amadurecido. Sobre o SC Seguro e o SC Futuro, temos que ter profundidade na análise quando votamos matérias desta natureza. Eu estudei o assunto, estou com matérias de economistas e advogados, eu estou muito confusa e não enxergo que isto é bom. Os deputados que nem aqui estão, muitos não sabem do que se trata. Não está tudo no projeto, temos que pesquisar como foi nos países onde aconteceu”, ressaltou.

Durante a audiência, os servidores públicos se manifestaram pela revogação imediata do desconto dos 14% sobre o salário dos aposentados e pensionistas do Estado que ganham entre um salário mínimo (R$ 1,3 mil) e o teto do INSS (R$ 7,5 mil), e rejeitaram a divisão dos fundos previdenciários, como propõe o governo no PLC.

Conforme o projeto do governo, a redução será escalonada entre 2024 e 2026 conforme a faixa salarial e beneficiará só os que recebem até três salários mínimos.

Com relação a divisão dos fundos, um será destinado aos servidores ativos e inativos, denominado SC Seguro. O outro, em capitalização, é voltado para os funcionários que ingressarem no serviço público a partir de janeiro de 2024, denominado SC Futuro. Para o primeiro fundo, o servidor contribui com 14% e o Estado com 28%. No fundo futuro, as contribuições seriam de 14% e 14%, respectivamente, o que configura tratamento diferenciado para trabalhadoras e trabalhadores que desempenham as mesmas funções.

“Quando se trata de discutir a previdência é sempre a mesma ladainha, não muda nunca. A gente escuta sempre aquela velha fala e às vezes parece que o servidor público é problema e que é melhor só existir estado, se a gente só produz déficit. Não tem ação, política pública, não tem saúde, hospital, escola e justiça, se não tiver o servidor”, ponderou a deputada.

Segundo ela, é preciso reverter este debate de receita e despesa. “A gente também precisa discutir de onde vem as receitas e quais são as despesas e não só sob a ótica de dois pilares, em que numa ponta está a contribuição que sustenta a previdência, os 14%, e na outra a do governo, que era 28% e agora querem passar para 14%.”

Renúncia e déficit fiscal 

A deputada Luciane sugeriu colocar mais dois outros pilares “nesta cadeira” e um deles é discutir “como um estado rico, maravilhoso, nos últimos 14 anos aumentou a renúncia fiscal de R$ 5 bilhões para R$ 21 bilhões.

“Desafio a pesquisar quanto era o desemprego em SC lá atrás e agora e qual era a faixa de renda. Estamos praticamente com os mesmos índices.”

Ela ressaltou que os R$ 21 bilhões de renúncia fiscal previstos para 2024 não são para a maioria dos empresários, não chega a 2%. “Se mexer um pouquinho na renúncia para isentar os 14%, dá R$ 600 milhões por ano. Tem como fazer, esta cadeira pode ter 4 pernas. A terceira é a renúncia fiscal e uma quarta é a dívida ativa. Porque tem gente que aprendeu a não pagar imposto. Não é o pequeno, o assalariado e são poucos também, 3% que não pagam imposto.

Ela acrescentou ainda, que os deputados que têm sensibilidade, que escutam, que estão arrependidos de terem votado no ano passado a favor da cobrança da alíquota de 14% dos aposentados têm a chance de corrigir o erro. “O governo precisa ter respeito por esta Casa. Ele está jogando a responsabilidade aos 40 deputados.”

Foto: Vicente Schmitt/Agência AL

Posts relacionados

Plenário aprova novo critério para entrega do Troféu de Responsabilidade Social da Alesc

Redação

Bancada do Oeste acompanha situação das obras nas rodovias estaduais da região

Redação

Bancada do Oeste cobra cronograma de obras para rodovias estaduais

Redação