Blog do Prisco
Destaques

Não convenceu!

Astuto, esperto, eloquente. Todas essas qualidades de Lula da Silva, contudo, não foram suficientes para convencer o distinto público sobre sua alegada inocência no caso do tríplex do Guarujá, que teria sido ofertado ao ex-comandante como forma de propina por três contratos da OAS na Petrobrás.

Houve quem questionasse o fato de um ex-presidente estar prestando interrogatório sobre questiúnculas como as do rumoroso apartamento na badalada praia paulista. É, de fato, uma humilhação. À qual o ex-metalúrgico teve que se submeter por ser o suspeito de comandar o  maior esquema de corrupção já descoberto. Ah, mas não tem prova, exclamam os lulo-fanáticos. Mas existe uma infinidade de indícios. A fartura do material indiciante é o caminho para a construção da prova.

Sempre tentando parecer mais esperto do que o juiz Sérgio Moro, que conduziu a oitiva com maestria, sem sobressaltos ou arroubos, Lula da Silva caiu em várias contradições. E não convenceu absolutamente ninguém em sã consciência. Principalmente sobre documentos comprometedores – como uma opção de compra de imóvel no prédio do Tríplex, de 2004, achada em seu apartamento de São Bernardo do Campo! Tentando dar respostas curtas, o guru do esquerdismo do Sul do mundo foi sendo emparedado pelo magistrado. E começou uma nova leva de não sabia, não vi, não é comigo, não me lembro, no melhor estilo Lula da Silva. Além de praticamente incriminar a falecida ex-mulher. Repugnante e vergonhoso!

Parcela

O jeitão de Lula da Silva, aliado à sua esperteza, continua agradando uma parcela do eleitorado. São setores minoritários e geralmente barulhentos.

Duque

O fundador do PT também caiu em contradição sobre sua relação com Renato Duque (o que ficou muito mal para ele) e ainda sobre quem iria avisar o dono da OAS, Léo Pinheiro (não era um vendedor, portanto, e sim o chefão de uma das maiores empreiteiras do país), de que o casal não iria ficar com o triplo “Minha Casa Minha Vida.” À Polícia Federal, Lula da Silva afirmou que ele comunicaria a negativa. Diante de Moro, mudou a versão, repassando a responsabilidade à falecida Marisa Letícia.

Como assim?

Outro momento vergonhoso do interrogatório foi quando o ex-líder sindical, tergiversando, afirmou que entre 2005 e 2013 praticamente não havia falado com a mulher – com a qual completaria 50 anos de casado – sobre o apartamento (primeiro um simples e depois um tríplex) no Guarujá.

Datas

Sérgio Moro agora tem até julho para proferir a sentença sobre o caso do Tríplex do Guarujá. Se for pela condenação de Lula da Silva, o processo segue para a segunda instância, o TRF4 em Porto Alegre. Ali, os magistrados terão prazo de um ano para confirmar ou não a possível condenação. No caso de manter a hipotética condenação, o despacho pode ocorrer em julho de 2018, na antevéspera do prazo fatal para as convenções homologatórias.

Frase do ano

“Eu nem sabia que tinha tido a visita, doutor. Não sei se o senhor tem mulher, mas nem sempre elas perguntam pra gente o que vão fazer.” Lula da Silva

Dúvida

Você, leitor, se tivesse um documento de opção de compra de um imóvel em sua casa, saberia do que se trata?

 

 

Posts relacionados

As cifras da corrupção

Autor

PROJETO DE PAVAN DENOMINA DE LUIZ HENRIQUE O FUTURO CENTRO DE EVENTOS DE BALNÁRIO CAMBORIÚ

Autor

Jorginho ataca Raimundo Colombo

Autor