Blog do Prisco
Manchete

Nova correlação de forças no estado

O quadro político-partidário de SC está efervescendo nos bastidores. A correlação de forças que saiu das
urnas tem forçado mudanças e pressionado por outras tantas que virão. Para deputados estaduais, federais
e vereadores, a migração a outra legenda só será permitida caso se abra uma janela antes do período
permitido para troca partidária sem o risco da perda dos mandatos. Ou seja, seis meses antes da eleição.
Feito este parêntese, a realidade é de troca-troca de legendas. O deputado federal Rodrigo Coelho já
deixou muito claro que está com um pé e meio fora do PSB. Emitiu uma nota elencando argumentos que
inclusive podem ser usados na esfera judicial.
O parlamentar é sondado por Moisés da Silva e pelo comando do PSL para ingressar no partido. Poderia
se candidatar a prefeito de Joinville. Já foi vice de Udo Döhler, no primeiro mandato do emedebista.
A intervenção branca promovida pelo PSB nacional em Santa Catarina não permite movimento mais
brusco agora. Coelho se resguarda para preservar o mandato.
PSL-PRB
Outro deputado federal, Hélio Costa, o mais votado no pleito de 2018, também é cobiçado pelo PSL em
uma engenharia que envolve o vereador Pedrão, do PP. O progressista deixaria o partido da família Amin
e assinaria no PRB de Costa. Este, por sua vez, assinaria no PSL, deixando o PRB. Mas com Pedrão de
seu candidato a vice na disputa eleitoral do ano que vem na Capital. Essa articulação é da direção do
PSL. A iminente saída de Pedrão do PP era esperada. E só confirma que os Amin lançarão candidato à
prefeitura de Florianópolis.

Segurança

Quando o assunto é a eleição na Capital, o governador articula e quer lançar o comandante-geral da PM e
coordenador do colegiado superior de segurança, Araújo Gomes. O policial estaria resistindo às investidas
de Moisés da Silva.

Tripé

Indo para Blumenau, o PSL já definiu o seu nome à prefeitura: é o deputado estadual Ricardo Alba, o
mais votado para a Alesc no ano passado. Traduzindo: governador e dirigentes do PSL atuam a todo
vapor com vistas ao pleito nas três principais cidades do estado.

Quase no PP

Outro que está de malas prontas para mudar de partido é Gelson Merisio. Confirmou ao colunista que não
ficará no PSD. Ele ainda não definiu para onde vai. Pelas tratativas até aqui e em virtude do tratamento
lisonjeiro que Merisio vem recebendo de Esperidião Amin, o PP é o destino mais provável. Tanto Merisio
como o próprio Amin seriam alternativas à cabeça de chapa pelo PP em 2022.

Inimigo comum

Pelo raciocínio deles, o adversário seria Dário Berger. Isso se o senador do MDB sobreviver até lá. O
emedebista coleciona um penduricalho considerável de processos judiciais.

Bases

Por falar em Merisio, o ainda pessedista já vem mantendo agenda de terça a sexta-feira em Joinville. O
projeto é influenciar no processo sucessório de Udo Döhler e criar base na cidade do Norte. Que se aliaria

à sua força no Oeste. Se tiver estas duas frentes bem azeitadas, Merisio poderia chegar forte e ser
novamente candidato a governador lá em 22.

Triangulação

Outro que articula com vistas a 2022 é o senador Jorginho Mello, do PR. Ele não teria nada a perder no
próximo pleito estadual, pois estará no meio do seu mandato. Especula-se que Mello poderia ter o apoio
do MDB, com o próprio Dário Berger indo à reeleição. Em caso de vitória, a viúva de Luiz Henrique da
Silveira, Ivete Appel, ascenderia à Câmara Alta. Ela é a primeira suplente de Jorginho.

Equilíbrio

Embora o PSL projete que pretende conquistar 100 prefeituras em Santa Catarina, o contexto atual
permite ao colunista avaliar que a nova ordem política do estado poderá ser marcada pelo equilíbrio assim
que forem abertas as urnas em 2020.
A tendência é que os quatro maiores partidos, MDB, PSD, PSL e PP elejam cerca de

Posts relacionados

Hobus assume presidência do PSD-SC e concede coletiva nesta quarta

Redação

Entidades garantem produção de alimentos em SC

Redação

Isolado politicamente, Moisés aposta na gestão

Redação