Blog do Prisco
Manchete

Os reflexos políticos do embate entre Aprasc e governo

Conforme já foi amplamente noticiado, a Associação dos Praças de Santa Catarina (Aprasc) resolveu partir para o embate contra o governo do estado. A categoria está há seis anos sem reposição salarial. Defasagem que chega a 42% nos vencimentos.

Reivindicação justa. Há, contudo, componentes políticos e pré-eleitorais neste contexto.

Primeiro aspecto. Dentre os seis deputados estaduais do PSL, dois são militares da Reserva. Coronel Mocellin e Sargento Lima (foto). Até por afinidade de patente, quem abraçou a empreitada foi o deputado-sargento, que inclusive assumiu uma diretoria da Aprasc. Ele não poupou o verbo, disparando críticas na direção do Centro Administrativo.

Sargento Lima agora se junta a outros dois parlamentares estaduais do PSL: Ana Carolina Campagnolo e Jessé Lopes. Ou seja, metade da bancada pesselista, partido do governador, está numa trincheira oposta ao do chefe do Executivo.

Tripé

Na outra ponta, estão os fiéis a Moisés da Silva. Além do próprio Mocellin, neste front aliado encontram-se Ricardo Alba e Felipe Estevão. Convém lembrar que tanto Mocellin quanto Alba são pré-candidatos a prefeito em Itajaí e Blumenau.

Tiro no pé

Já em Florianópolis, Moisés da Silva tem incentivado a candidatura do comandante da Polícia Militar e coordenador do Colegiado Superior de Segurança Pública de SC, coronel Araújo Gomes. Considerando-se que o govenador também é militar da reserva, mas parece estar irredutível quanto ao pleito dos praças, cabe perguntar como fica o projeto eleitoral do PSL na Capital se o governo não faz o dever de casa com a própria PMSC? Como Araújo fará campanha se não tiver o apoio maciço dos seus subordinados? Fica meio complicado de entender.

 

 

Posts relacionados

Ministro da Saúde recebe reivindicações dos hospitais filantrópicos

Fabian Oliveira

MDB na cabeça!

Fabian Oliveira

MDB em pratos limpos: eleições 2020; relação com Moisés e a eleição do diretório nacional

Fabian Oliveira