Coluna do dia

Partida de um grande Líder

O deputado Aldo Schneider, que faleceu na tarde deste domingo, em Balneário Camboriú, constituía-se em liderança política emergente em Santa Catarina. Não apenas pela sua atuação parlamentar, mas também pela sua capacidade de articulação. Ele presidia a Assembleia, graças a desenvoltura de sua interlocução dentro e fora do MDB. Pelos problemas de saúde que se arrastavam por mais de um ano, na última semana o vice-presidente, Silvio Dreveck (PP), já estava respondendo interinamente. O suplente Manoel Mota, que está encerrando a vida pública, será efetivado na Alesc, cumprindo o mandato até dezembro. O emedebista assumiu a Presidência, terceiro cargo do Estado na linha sucessória do governador, em fevereiro, substituindo o próprio Dreveck. O progressista renunciou, cumprindo acordo que lhe garantiu o comando do Legislativo em 2017, e Aldo foi eleito para pilotar o Parlamento em 2018.
Aldo Schneider filiou- se ao MDB em 1987. Era funcionário de carreira da Fazenda estadual. Foi o primeiro prefeito eleito de Vitor Meirelles, no Alto Vale, logo após a emancipação do município, em 1996. Elegeu o sucessor e depois retornou ao cargo de prefeito da cidade. Foi secretário regional de Ibirama e em 2010 conquistou seu primeiro mandato de deputado estadual. Foi reeleito em 2014. Perdeu a luta para um câncer, contra o qual vinha lutando bravamente desde o ano passado. O deputado tinha 57 anos e notabilizou-se pelo estilo sereno, trabalhador e conciliador. Sem dúvida, estava entre os cinco melhores parlamentares da atual legislatura.

 

PT na frente em SC
A primeira pesquisa Ibope das eleições em Santa Catarina, divulgada na sexta-feira à noite, trouxe o deputado federal Décio Lima, do PT, na liderança pela corrida ao governo do Estado. O petista teve 16% na preferência dos entrevistados. É seguido de Mauro Mariani, do MDB, com 11%; e de Gelson Merisio (PSD), que ficou com 6% dos eleitores. O desconhecido Angelo Castro, do PCO (Partido da Causa Operária), teve 4% das indicações de voto.
Em termos de rejeição, Décio também lidera, muito provavelmente pelo desgaste do PT. Atingiu 21% de eleitores que não votariam nele de jeito nenhum. Outros 23% não responderam, ou seja, estão indecisos, e 34% disseram que vão votar nulo ou branco para o governo, um índice altíssimo.

 

Breves análises
Alguns pontos já parecem bem claros nesta primeira pesquisa, realizada entre 14 e 16 de agosto. Portanto, realizada ainda sem ter sido influenciada pelo início, de fato, da campanha eleitoral. Os eleitores do PT, de Décio Lima, já se manifestaram. Ainda mais considerando-se a média histórica de 15% de votos que a sigla de Lula da Silva faz no Estado. Em 2014, o petista Cláudio Vignatti marchou sozinho e conquistou 14% dos sufrágios no primeiro turno.

 

Sem transferência
Na outra ponta, é possível afirmar que os candidatos ao Senado ainda não transferiram votos a Mauro Mariani – neste caso, o maior eleitor é Paulo Bauer -; e a Gelson Merisio, que tem na sua coligação os dois líderes para o Senado na pesquisa, Raimundo Colombo (PSD – 27%) e Esperidião Amin (PP – 23%).

 

Há?
Agora, trata-se de uma pesquisa um tanto, digamos, sui generis. O índice de 6% para Merisio é passível de questionamento. Sem falar nos 4% de intenção de votos para o candidato do PCO ao governo, o ilustre desconhecido Angelo Castro, que se inscreveu na última hora e pertence a um partido sem representatividade no Congresso e também absolutamente desconhecido do grande público. A conferir os desdobramentos.

 

FRASE
“Quando o consumidor dá preferência para os produtos catarinenses, o imposto fica em Santa Catarina, do contrário, dois terços do imposto vai para o Estado de origem da mercadoria”. Eduardo Moreira, manifestando-se após a divulgação dos números da arrecadação estadual, que voltou a subir.

 

Norte
Ocorreu ontem o evento de lançamento da campanha eleitoral da “Coligação Santa Catarina Quer Mais”, com Mauro Mariani e Napoleão Bernardes como candidatos a governador e vice, Jorginho Mello e Paulo Bauer ao Senado, e demais candidatos a deputado estadual e federal.

 

Grande Florianópolis
São José foi a quarta cidade a receber o Encontro Macrorregional da coligação “Aqui é Trabalho”, liderada pelo candidato a governador Gelson Merisio (PSD) e o vice João Paulo Kleinübing (DEM).A mobilização ocorreu no CTG Os Praianos e contou com as presenças de Raimundo Colombo (PSD) e Espiridião Amin (PP), que estão na corrida ao Senado.

 

Oeste
Já o candidato do PT ao governo, Décio Lima, esteve no Oeste de Santa Catarina durante o fim de semana. Foi ao encontro do seu candidato a vice-governador, Alcimar Oliveira, o Kiko, que é da região.