Blog do Prisco
Manchete

PL ainda sem candidato definido em Balneário Camboriú

A passagem do ex-presidente Jair Bolsonaro e da ex-primeira-dama, Michelle, por Balneário Camboriú no Feriadão de Páscoa agitou os bastidores políticos.

Foi nítido o esforço do prefeito – em fim de mandato –, Fabrício Oliveira, de aparecer na companhia do casal.

O roteiro foi preparado para passar ao distinto público uma sensação de desenvoltura do jovem marqueteiro na interação com o líder conservador.

Ocorre que Fabrício já esteve em vários partidos, a maioria de esquerda como PV, PSDB e PSB.

Ingressou no PL na reta final da campanha eleitoral de 2022, quando o quadro já estava definido em Santa Catarina a favor de Jorginho Mello.

A situação agora no PL da cidade beira o absurdo. O prefeito não quer a candidatura do líder das pesquisas e militante do PL desde sempre, além de ser deputado estadual, Carlos Humberto. Mas não tem qualquer outra alternativa viável.

O ex-prefeito Rubens Spernau, secretário municipal, cedeu à pressão do prefeito e filiou-se ao PL. Mas ele segue com a imagem e a sua vida profissional atreladas a Leonel Pavan, do PSD, que é inimigo de Jorginho Mello.

Spernau não apareceu em nenhuma foto ou vídeo ao lado de Bolsonaro.

A sensação que ficou é que o prefeito agora tem duas outras alternativas (pois já teria também descartado o presidente da Câmara, David La Barrica): o jornalista/radialista e empresário de publicidade Peeter Lee Grando; e o empresário Renato Cruz, que se apresentou no ano passado como possível nome para disputar em Camboriú, não em Balneário Camboriú. Seriam nomes viáveis? Sem entrar na questão dos perfis pessoais dos dois, teriam eles embocadura e envergadura para liderar o processo eleitoral do partido do governador numa das principais vitrines políticas do Sul do Brasil?

Ao fim e ao cabo, fica valendo a velha e surrada máxima: quem tem dois ou três candidatos não tem ninguém.

foto>Vítor Souza, Jornal O Município, divulgação