Blog do Prisco
Manchete

Raimundo Colombo na oposição

Depois de nove meses de administração de Moisés da Silva, o cenário político no contexto estadual está um pouco mais claro. A pergunta que se fazia até há bem pouco tempo era quem faz ou fará oposição ao governo do pesselista? Desconsiderando-se a Assembleia Legislativa, onde a convivência entre o governador e os deputados, inclusive os correligionários, é tumultuada, o papel, legítimo, de oposicionista, foi assumido por Raimundo Colombo.

Ex-governador, ele pilotou Santa Catarina por sete anos. Justamente no período em que a maior crise financeira da história recente assolou este país. Em nenhum momento, no entanto, Colombo majorou impostos. Ao contrário do que ocorreu em vários outros estados.

É neste contexto, de aumento de impostos, que o ex-governador tem se posicionado na trincheira oposicionista. Quase como uma voz isolada.

Trio silencioso

Senão, vejamos. Gelson Merisio, do PSD de Colombo, que foi para o segundo turno em 2018, justamente contra o atual governador, decretou silêncio absoluto. A exemplo da postura adotada até aqui pelos outros candidatos de relevo no ano passado, Mauro Mariani (MDB) e Décio Lima (PT). Todos mergulharam no oceano da quietude, potencializando a ofensiva do ex-governador.

Dupla quieta

Outros dois nomes que poderiam se opor a Moisés da Silva neste momento são os dos senadores Esperidião Amin e Jorginho Mello, eleitos em 2018. Os dois, contudo, também não se manifestam em relação à condução do atual inquilino da Casa d’Agronômica.

 

Posts relacionados

Três senadores unidos em evento da Câmara de São José

Redação

Conselheira catarinense atua na linha de frente do CNMP no combate ao vírus

leander

Controlador-geral será ouvido novamente na CPI

Redação