Blog do Prisco
Coluna do dia

Rombo fiscal

Secretaria da Fazenda está distribuindo nota oficial. Põe mais ingredientes no apimentado e controverso molho acerca do verdadeiro rombo causado pela sonegação fiscal no estado. Na semana retrasada, Moisés da Silva declarou que o número era de R$ 10 bilhões.

Ato contínuo, houve fortíssimas reações nos meios empresariais, políticos e também do Sindifisco, o sindicato dos auditores fiscais da Fazenda estadual. Agora, o secretário Paulo Eli se posiciona em meio a este tiroteio. Traz dados instigantes e interessantes. Segundo ele, em Santa Catarina, o PIB oficial estimado para 2019 é de R$ 320 bilhões.

O PIB real, acrescentando os 20% da economia informal não-tributada, chegaria a R$ 384 bilhões, ou seja, R$ 64 bilhões a mais. Considerando a alíquota de ICMS de 17%, a sonegação chega a R$ 10,88 bilhões somente com a informalidade. Ou sela, de certa maneira, o titular da Fazenda estadual ratifica a afirmação do governador.

Desconforto

Ainda de acordo com Eli, a atual administração está focada no combate à sonegação com várias ações. “Muitos temas que abordamos como da sonegação causam desconforto na sociedade e na Secretaria da Fazenda, pois estamos levantando esse tema para reflexão. Só pra você ter uma ideia, a SEF tem mais de R$ 24 bilhões de créditos a receber de contribuintes, recursos sonegados ao longo dos anos,” declarou ele ao colunista.

FRASES

Vale destacar, nesta edição, algumas frases de impacto do secretário da Fazenda, Paulo Eli.

“E a SEF tem baixa efetividade na cobrança. Então alguma coisa tá errada.”

“Estamos mexendo em zonas de conforto.”

“O volume de sonegação está diretamente ligado ao risco de ser pego e cobrado. Veja o caso dos cigarros. Temos que fazer alguma coisa. Se não teremos uma perda de R$ 700 milhões nos próximos 5 anos.

“Estou mexendo em ninhos de marimbondos. Mas estou disposto a isso.”

Lamentável

O presidente da Fampesc, Alcides Andrade, considerou “lamentável que o governo do Estado insista em usar como verdadeira uma informação baseada em estimativas”. A manifestação ocorreu após a nota oficial divulgada pelo secretário de Estado da Fazenda, Paulo Eli.

Vazio

“O governo não pode generalizar a acusação de sonegação, nem vir com um discurso vazio. Precisa apontar objetivamente onde tem problema. E é importante lembrar que as micro e pequenas empresas têm direito constitucional à dupla visita. Ou seja, diante de uma eventual dívida, a elas deve ser dada a oportunidade de recolhimento dos tributos”, lembrou.

Oleosidade

Depois do mar de óleo que tomou conta das praias do Nordeste, às portas da temporada de Verão, já chegando ao Rio de Janeiro, informações de bastidores indicam que operadoras estão direcionando muitos pacotes para Florianópolis e o Litoral catarinense. Se confirmarem as expectativas, Santa Catarina será invadida por turistas brasileiros neste ano.

Nordeste aqui

A enxurrada de conterrâneos nas nossas praias pode ser uma forma de suprir um pouco a esperada ausência de argentinos. O país vizinho segue em crise econômica e o dólar alto por aqui dificulta ainda mais a vinda dos Hermanos.

Posts relacionados

Acabou a trégua

Autor

Amin aos extremos

Autor

Articulação conjunta

Shirlei Demetrio