Blog do Prisco
Manchete

Sessão é suspensa de forma autoritária durante fala de Juliana Pavan; vereadora registra BO

Na sessão da Câmara Municipal de Balneário Camboriú, que estava desta terça-feira (11), ocorreu um incidente infelizmente inédito durante a fala da vereadora Juliana Pavan (PSD) que chocou quem a acompanhava. A sessão, que tinha como pauta a votação do Projeto de Lei sobre o Plano Diretor, foi abruptamente suspensa de maneira autoritária pelo presidente da casa, David La Barrica.

A Câmara estava lotada de servidores comissionados do governo municipal, com a presença de diversos vereadores que já haviam discursado. Durante a fala de Juliana Pavan em tema livre, David La Barrica interrompeu a sessão, cortando seu microfone, cassando sua palavra e dizendo que encerrando a sessão. A atitude gerou indignação entre os presentes, com manifestações da plateia contra David de “covarde”. Após os fatos, Juliana Pavan foi à Delegacia da Mulher para registrar um boletim de ocorrência e pedir medida protetiva contra David La Barrica, considerando a violência política contra a mulher perante os demais vereadores e toda a comunidade presente.

 

O motivo do pedido para votar o Plano Diretor com urgência era a alegação de que mudanças eram necessárias para atender às novas demandas urbanísticas e ambientais da cidade. No entanto, muitos vereadores e representantes da sociedade civil criticaram a pressa e a falta de debate adequado.

*Juliana critica aprovação acelerada de PL sobre o Plano Diretor em período eleitoral*

“Apesar dos nossos esforços para adiar a votação e garantir um debate mais transparente e participativo, o Projeto de Lei infelizmente veio na urgência da marra”, desabafou a vereadora.

Os delegados não-governamentais do processo de revisão do Plano Diretor classificaram a proposta como arbitrária. “É no mínimo curiosa a intenção, uma vez que já se passaram 7,5 anos do atual governo sem a priorização do Plano Diretor e agora decide-se por empurrá-lo “goela abaixo” nas vésperas das eleições, evidenciando desrespeito à sociedade e à inteligência alheia.’, disseram.

O processo estava emperrado pela falta de apresentação do diagnóstico socioambiental da cidade, um estudo fundamental que identifica os potenciais e deficiências de cada região e serve como base para o planejamento de ações de desenvolvimento econômico sustentável. Os delegados também relataram que sugestões importantes foram ignoradas e que outras propostas foram colocadas para votação em ‘caráter surpresa.’

BO

“Estamos profundamente desapontados com essa decisão de botar o projeto na marra e nas pressas, sem falar o absurdo de cassar a minha fala. Acreditamos que mudanças tão significativas no Plano Diretor de Balneário Camboriú deveriam ser feitas com ampla consulta pública e fora do período eleitoral”.

Sobre a agressão sofrida, Juliana afirmou: “Sou a única mulher da atual legislatura. Fui impedida de me expressar em uma sessão tão importante para a sociedade, enquanto todos os meus colegas tiveram a oportunidade de falar. Meu microfone foi cortado e a sessão, abruptamente encerrada. Essa atitude autoritária demonstra desrespeito não apenas a mim, mas a todos os cidadãos que represento”, encerrou.

foto>arquivo, divulgação

Posts relacionados

Daniel Freitas recebe homenagem de produtores rurais do Alto Vale

Redação

Marisa Zanoni discute Balneário Camboriú em Brasília 

Redação

Semana ACAFE em Brasília comemora os 50 anos de contribuições das IEs comunitárias para a educação superior

Redação