Blog do Prisco
Image default
Notícias

COM INVESTIMENTO DE R$ 14 MILHÕES, RODOVIAS DO OESTE GANHARIAM MAIS SEGURANÇA

Estudo da FIESC, que integra o Projeto de Humanização de Rodovias Estaduais e Federais, foi apresentado nesta terça-feira (1), em Chapecó, e avaliou pontos críticos nas BRs 282, 158 e 163, além das SCs 163, 480, 283 e 157

Com investimento de R$ 14,1 milhões, rodovias estaduais e federais que cortam as regiões Oeste e Extremo-Oeste de Santa Catarina ganhariam mais segurança. Estudo da Federação das Indústrias de Santa Catarina (FIESC) avaliou os principais pontos críticos das BRs 282, 158 e 163, além das SCs 163, 480, 283 e 157 e constatou que a realização de 21 interferências, entre implantação de terceiras faixas, faixas de pedestres, recomposição de asfalto e melhoria de sinalização, tornariam os trechos mais seguros para os usuários. O levantamento integra o Projeto de Humanização das Rodovias da região e foi apresentado durante reunião da Câmara de Assuntos de Transporte e Logística da instituição, realizada em Chapecó, nesta terça-feira (1º), com a participação de lideranças da região. A iniciativa faz parte do Grupo de Trabalho Rodovias Oeste SC do Futuro. Clique aqui e veja o estudo completo e as propostas do projeto de humanização.

Presidente da FIESC, Glauco José Côrte (e), e o presidente da Câmara de Transporte e Logística da entidade, Mario Cezar de Aguiar (d), durante encontro com lideranças em Chapecó (foto: Júnior Duarte)
Presidente da FIESC, Glauco José Côrte (e), e o presidente da Câmara de Transporte e Logística da entidade, Mario Cezar de Aguiar (d), durante encontro com lideranças em Chapecó (foto: Júnior Duarte)

O presidente da FIESC, Glauco José Côrte, salientou que a vida humana deve ser sempre priorizada e destacou que o Projeto de Humanização propõe ações relacionadas com a política e gestão que podem amenizar os acidentes. “Estamos cientes da dimensão dos investimentos necessários para suprir a região com um sistema de transporte condizente com a pujante atividade econômica e, particularmente, a industrial. Por isso, levando em conta as dificuldades que temos de obtenção de recursos e de decisões que realmente mudem o perfil do transporte em termos de ampliação e melhorias das rodovias, vamos oferecer uma proposta que seja viável e que é possível realizar, visando, sobretudo, à redução dos acidentes que ocorrem na região”, afirmou, lembrando da importância de fazer uma expressiva mobilização pelo Oeste.

Côrte ressaltou ainda que os R$ 14,1 milhões de investimento propostos representam 1% do que a região gera anualmente em ICMS. “O Oeste merece. Precisamos fazer uma grande mobilização em torno dessa proposta. Se concretizada, poderá representar uma reversão no número de acidentes”, disse, lembrando que a FIESC, junto com as lideranças da região, tem discutido as prioridades de investimentos e a definição de corredores rodoviários que levam em consideração as cadeias de suprimento e distribuição da indústria. “A região precisa ser ouvida em suas demandas. Não podemos aceitar que Brasília tome decisões sem que conheça nossas demandas e a nossa realidade”, completou.

O vice-presidente para assuntos estratégicos da FIESC, Mário Lanznaster, disse que o Oeste cresceu e está isolado por falta de infraestrutura. “Hoje, sai um caminhão atrás do outro com carga de alimentos para o Brasil e o exterior. É impressionante o movimento. E a rodovia é a mesma de muitos anos atrás”, afirmou, lembrando que não há perspectiva para a implantação de uma ferrovia. “Mas tem que ir martelando, martelando. O povo do Oeste não desiste”, resumiu.

O presidente da Câmara, Mario Cezar de Aguiar, salientou que Lanznaster fez um panorama realista da situação da infraestrutura na região. Historicamente, sabemos que o Oeste não tem sido contemplado com a atenção devida pelas autoridades. Mas, em conjunto, precisamos encontrar uma solução para a segurança e a trafegabilidade das rodovias”, disse. Em sua apresentação, Aguiar destacou números da PRF que mostram que Santa Catarina possui 15 dos 100 trechos mais críticos de rodovias federais do País – o Estado ocupa a segunda e a quarta posição (dados de 2015). Santa Catarina também é o segundo Estado da Federação com maior número de acidentes, atrás somente de Minas Gerais. Além disso, mais de um terço do orçamento dos hospitais dos grandes centros urbanos catarinenses é gasto somente com acidentes.

O levantamento mostra que para realizar melhorias nos trechos estaduais, os custos estão previstos em R$ 7,39 milhões e para as estradas federais, calcula-se que são necessários R$ 6,73 milhões. Para estimar o custo das obras sugeridas, utilizou-se a tabela de preços do Deinfra, com preços básicos do mês de abril de 2017. O trabalho contempla as rodovias: BR-282 km 479 (Vargeão), BR-282 km 536 (Sede PRF/Chapecó), BR-282 km 536 (Sede PRF/Chapecó), BR-158 km 107 (Cunha Porã), BR-282 km 605 (Maravilha), SC-163 km 62 (Descanso), SC-163 km 106 (Iporã do Oeste), BR-163 km 74 (Guaraciaba), SC-480 km 86, 87, 89, SC-283 km 147, SC-283 km 51 (Seara/Arabutã), SC-283 km 75 (Arvoredo), BR-282 km 520 (Xaxim), BR-282 km 603, SC-283 km 15 (Arabutã), SC-480 km 152 (Marechal Bormann), ligação da BR-282 com a BR-158 (Cunha Porã), SC-157 km 6 (linha São Paulinho) e SC-157 km 24.

O estudo técnico foi baseado nos principais pontos críticos que apresentaram elevado índice de periculosidade, segundo dados coletados nos relatórios de acidentes das Polícias Rodoviária Federal (PRF) e Militar Rodoviária (PMr/SC). Após a catalogação dos principais pontos críticos, foram executados os levantamentos de campo. O trabalho foi realizado pelo engenheiro Ricardo Saporiti com colaboração do engenheiro Saulo de Noronha Nascimento.

A região Oeste de Santa Catarina tem 1,4 milhão de habitantes, um PIB de R$ 42,6 bilhões (18% de SC) e um PIB industrial que totaliza R$ 11,8 bilhões. A região possui 46,4 mil estabelecimentos, dos quais, 9,6 mil são industriais. Também reúne 395,8 mil trabalhadores, dos quais 153,1 mil na indústria. 

Propostas do Projeto de Humanização

Educação e fiscalização

Levantar a demanda de contingente das Polícias estadual e federal na região, para melhorar a fiscalização; 
Promover campanhas de educação no trânsito nas escolas e empresas (apoio do SENAI e SESI);
Projeto “in company”, promovido pela FIESC. As indústrias deverão consultar a entidade por meio do e-mail[email protected] ou do telefone 48 3231 4302.
Realizar na região a campanha “Moto pela Vida” nos moldes das ações do GT BR-101 do Futuro

Regulamentação das Profissões (motociclistas)

A Lei Federal nº 12009/2009 regulamenta as profissões de “motoboy”, “motofretista” e “mototaxista”.
A resolução do Conselho Nacional do Trânsito – CONTRAN, nº 365/2010, determina a responsabilidade dos municípios. Sugere-se:

Providenciar a regulamentação nos municípios que ainda não atendem ao estabelecido na Lei 12009/2009. Em Florianópolis a matéria foi tratada pela Lei 9030/2012 e regulamentada pelo Decreto 10.487/2012. A medida possibilitará a exigência de itens de segurança e treinamento dos mototaxistas, motoboys e motofretistas.

Sinalização – proposta SC LEGAL:

Implantar um plano de sinalização para as rodovias estaduais nos moldes do Programa Nacional de Segurança e Sinalização Rodoviária: BR-Legal, que foi desenvolvido para melhorar a segurança nos 55 mil quilômetros de rodovias federais. Além de implantar e manter sinalização horizontal, vertical e suspensa, o BR-Legal implanta dispositivos auxiliares de segurança viária, como pórticos em trechos urbanos e defensas metálicas em trechos com curvas em toda a malha federal sob a responsabilidade da autarquia. A sinalização é um elemento importante para evitar acidentes.

Posts relacionados

Reviravolta no caso dos direitos políticos do prefeito de São Bento do Sul

Autor

Dalírio prestigia posse de Vinícius na Embratur

Autor

Bancada Catarinense define emendas para 2019

Autor