NotíciasÚltimas

Dívidas e dengue colocam Saúde na mira da Assembleia

As dívidas da Secretaria de Estado da Saúde (SES) e o crescimento dos focos do mosquito Aedes aegyptirepercutiram negativamente na sessão de quarta-feira (28) da Assembleia Legislativa.

“Fizemos a elevação do percentual da saúde de 12% para 15%, mas ouvi rumores de que o próximo governo quer retornar para 12%, também estamos acompanhando os débitos da Saúde, são fornecedores na expectativa, empresas pequenas que não têm como aguardar, são R$ 400 milhões reconhecidos e outros tantos na gaveta para serem reconhecidos”, relatou Neodi Saretta (PT), presidente da Comissão de Saúde.

“A Secretaria deve na verdade para os boias frias, os mais de 15 mil médicos que trabalham nos 180 hospitais filantrópicos, quem não está recebendo são estes hospitais e os médicos só recebem quando o patrão paga, essa dívida está consolidada”, alertou Serafim Venzon (PSDB).

Ana Paula Lima, Ismael dos Santos, Kennedy Nunes e Leonel Pavan – foto>Fábio Queiroz, Ag. Alesc

Antônio Aguiar (PSD) responsabilizou a concentração de gastos na Grande Florianópolis pela crise financeira e sugeriu alterações na SES.

“Não vai mudar enquanto não mudar o percentual aplicado na grande Florianópolis, 70% fica aqui, temos de mudar este índice, fazendo com que o dinheiro vá para o interior. Como fazer? O dinheiro está sendo usado para função básica, isso é função dos prefeitos”, criticou Aguiar, que sugeriu rever os contratos e transferir a administração dos hospitais públicos para associações filantrópicas.

Já o deputado Doutor Vicente Caropreso (PSDB) destacou o aumento de 40% dos focos do mosquito Aedes Aegypti em relação a 2017.

“São cerca de 14 mil focos do Aedes, um aumento de quase 40% em relação ao ano passado, está presente em 159 municípios, sendo que 75 estão infestados, entre eles municípios turísticos como Itapema, Itajaí, Balneário Camboriú, Florianópolis”, advertiu Caropreso, que também citou os municípios de Chapecó, São Lourenço do Oeste e São Miguel do Oeste.

40 anos da FCC
Leonel Pavan (PSDB) e Ismael dos Santos ressaltaram a celebração dos 40 anos da Fundação Catarinense de Cultura (FCC).

“Quero parabenizar a direção e todos os servidores da FCC pelo lançamento das comemorações dos 40 anos de existência da instituição, que será comemorado em 2019, é toda uma vida”, afirmou Pavan, que hipotecou apoio aos servidores da FCC. “Apoio incondicionalmente o pleito funcional dos servidores lotados na Secretaria de Turismo e na FCC, há algum tempo estão lutando para também terem o direito da gratificação da lei do pró-eficiência, trata-se de um prêmio justo”.

“Estivemos na solenidade ontem, quero parabenizar a FCC pelos 40 anos de história, talvez a maior agência fomentadora de cultura do estado”, avaliou Ismael dos santos (PSD).

Coma peixe
Cesar Valduga (PCdoB) cobrou dos gestores do programa SC Rural o pagamento que resta de um empréstimo de R$ 300 mil à Cooperativa Comapeixe, de Timbó.

“O SC Rural iria repassar por meio de subvenção para entidade ampliar os projetos e construir uma nova unidade um empréstimo de R$ 300 mil sem juros, mas uma parte está pendente, impedindo a continuidade das obras”, justificou Valduga.

Saraiva & Cultura
Ismael dos Santos noticiou o fechamento de unidades das livrarias Saraiva e Cultura em várias cidades do país.

“As duas maiores livrarias, Saraiva e Cultura, estão fechando as portas por falta de leitores, isso é ruim para o Brasil, como dizia Monteiro Lobato, um país se faz com homens e livros”, declarou Ismael.

Para o parlamentar, a leitura proporciona prazer, descontração, além de ser uma ferramenta de aprendizagem.

“É preciso impregnarmos as futuras gerações com a leitura de livros, na cultura judaica cada filho tem de ler cinco livros por mês, não sei se conseguimos isso por ano, a prática da leitura precisa ser fomentada no país. Agora no final do ano, com momentos de folga, o melhor conselho que podemos dar é desligue a televisão e abra um livro”, sugeriu Ismael.

Redução de cargos
Maurício Eskudlark (PR) criticou as câmaras de vereadores que têm muitos funcionários e revelou que os parlamentares discutem reduzir cargos na Assembleia Legislativa.

“São Miguel do Oeste tinha três servidores, hoje tem 24 efetivos, tem câmara com 52 servidores, nós temos debatido fazer uma redução dos cargos contratados, enxugar o máximo para não tornar a máquina pública tão onerosa”, informou Eskudlark.

Indulto de Natal
Eskudlark criticou o indulto de Natal que pode tirar das grades boa parte dos presos por corrupção.

“O indulto é um perdão que o presidente tem a possibilidade de fazer, ano passado deu a todos que tinham cumprido 20% da pena e tinham bom comportamento. Um estudo do procurador Deltan Dallagnol indica que dos 39 condenados da Lava-Jato, se der o indulto, 22 vão ter direito à liberdade, um absurdo”, disparou Eskudlark.

Custódio de Souza
Kennedy Nunes (PSD) lamentou a morte do chefe do seu gabinete na Assembleia, o servidor Custódio de Souza.

“Veio para a Assembleia com o ex-deputado Vânio de Oliveira, trabalhou com o Adelor Vieira e por três mandatos chefiou meu gabinete. Na quinta-feira da semana retrasada o Custódio saiu dirigindo o carro e foi até Criciúma, lá foi direto para o hospital com infecção generalizada e faleceu, um grande pai de família, um amigo e conselheiro”, registrou Kennedy.

Igualdade de gênero
Kennedy relatou na tribuna debate do qual participou em Açores, Portugal, sobre igualdade de gênero na Europa.

“Igualdade de gênero faz pensar em ideologia de gênero, que diz que (as crianças) não nascem homem ou mulher e vão definir o sexo depois dos 12 anos, mas é igualdade de renda entre homens e mulheres”, declarou Kennedy, acrescentando que os motivos do tratamento desigual são ciclo menstrual, gravidez e cuidado com os filhos pequenos.

Dirceu Dresch (PT) concordou com o colega.

“Essa é justamente a discussão que queremos fazer nas escolas, que foi distorcida justamente para não enfrentar essa discussão, de começar pela escola o respeito às mulheres”, discursou Dresch, que ponderou os altos índices de violência contra a mulher no estado barriga-verde.

Seminário Internacional
Dresch destacou a realização, em Chapecó, do Seminário Internacional do Cooperativismo de Crédito Solidário.

“Centenas de lideranças do Brasil e do exterior estão debatendo o futuro do cooperativismo de crédito solidário e discutindo o fortalecimento da economia local”, argumentou Dresch, informando em seguida que é associado da Cresol-Pinhalzinho.