Blog do Prisco
Image default
Destaques

Judicialização do Orçamento de Saúde é ameaça

Presidente da Associação Catarinense de Medicina, Ademar Paes Junior, está distribuindo a nota abaixo. Manifesta grande preocupação após a manifestação da Procuradora Geral da República, Raquel Dodge, de considerar inconstitucional a Emenda à Constituição Estadual, aprovada pela Alesc, que assegura o aumento gradual do Orçamento do Estado na área de Saúde. Confira:

“A ACM (Associação Catarinense de Medicina) manifesta preocupação diante do posicionamento da Procuradora Geral da República, Raquel Dodge, que considerou inconstitucional a EC nº 72/2016, aprovada pela Assembleia do Estado de Santa Catarina, aumentando de maneira gradativa o percentual mínimo do orçamento estadual a ser aplicado obrigatoriamente na saúde pública: 13% do orçamento em 2017, 14% em 2018 e 15% em 2019.

 No anúncio de sua posição, a Procuradora reconheceu ser cabível ampliar os recursos orçamentários destinados à saúde, diante dos prejuízos gerados pelo subfinanciamento do setor. Porém, alegou a inconstitucionalidade no sentido de que a alocação de recursos é de competência do Executivo, não podendo ser operada por iniciativa do Legislativo. A Adin (Ação Direta de Inconstitucionalidade) tramita no STF (Supremo Tribunal Federal) e foi proposta pelo então governador Raimundo Colombo, que em 2017 não cumpriu com a EC e deixou de aplicar mais de R$ 60 milhões na Pasta.

Defensora da saúde dos catarinenses há mais 80 anos, desde a sua fundação, a ACM vem unindo esforços para garantir a manutenção da Emenda Constitucional, da mesma forma que vem lutando pelo cumprimento do Duodécimo da Saúde, Sancionado na Lei de Diretrizes Orçamentária (LDO 2019), que permite o regramento, a autonomia, o gerenciamento e a previsibilidade financeira da Secretaria de Estado da Saúde (SES), agilizando processos e resultados, conforme a urgente necessidade.

Para a entidade associativa dos médicos catarinenses, a adoção desses dois dispositivos legais representa a efetiva priorização da saúde, cumprindo, de fato, o compromisso dos governantes do Estado e atendendo ao direito inalienável de proteção à vida, previsto na Constituição Federal.

 Às vésperas da posse do novo Executivo Catarinense, a ACM reforça a importância do seu pleito junto ao governador eleito, Carlos Moisés da Silva, para que mantenha a aplicação da EC 72/2016 e do Duodécimo da Saúde.  

 

Ademar José de Oliveira Paes Junior

Presidente ACM

Associação Catarinense de Medicina”

Posts relacionados

Produção de milho deve crescer em SC

Autor

Angela mapeada para vice de Merisio

Autor

Entregue licença para alargamento da faixa de areia

Autor