Blog do Prisco
Destaques

Lançada a frente parlamentar em defesa do ensino técnico

Objetivo é defender e fortalecer o ensino técnico no Estado
Pesquisadores, professores, deputados, entidades e representantes do Ensino Técnico no Estado estiveram hoje no lançamento da Frente Parlamentar em Defesa do Ensino Técnico e Profissionalizante na Assembleia Legislativa. Requerida pelo deputado estadual Altair Silva (Progressistas), a frente quer discutir as principais demandas para fortalecer o ensino no Estado.
Sendo uma importante porta para o acesso a universidade, os cursos técnicos e profissionalizantes, permitem aos jovens uma tomada de decisão mais fácil sobre qual profissão seguir e uma melhor remuneração no mercado de trabalho. “Pessoas com formação técnica específica para uma vaga chegam a ganhar 25% a mais do que as que atuam sem essa qualificação, o que demonstra a importância de se criar e discutir programas e linhas de trabalho sobre o assunto”, comentou Altair.
O secretário de educação do Estado, Natalino Uggioni, tem formação técnica, em Mecânica e Manutenção, e contou que tem frequentado as escolas do Estado e acompanhado de perto a situação. “Não queremos que hoje os alunos se tornem o “Nem Nem”, quem nem estuda e nem trabalha. Encaminhar esses jovens é um processo que precisa começar cedo e a formação técnica é sem dúvidas uma facilitadora disso”, afirmou o secretário.
Entre os principais desafios elencados, está a modernização das escolas e centros de formação do Estado. “Vamos atuar em sintonia com as forças do setor, principalmente a secretaria da educação, que é a mola propulsora desse processo. Com os institutos e escolas, todo mundo integrado, vamos construir políticas solidas para fortalecer ainda mais o setor”, destacou Altair.
Altair Silva, que também tem formação técnica, como técnico agrícola, ressaltou que os números e indicadores que Santa Catarina apresenta, como das exportações, passaram pelas mãos e pelo trabalho de um técnico. “O Estado tem um modelo industrial e agrícola que precisa de pessoas com formação técnica na área e hoje muitos jovens saem do Ensino Médio com essa formação. É uma profissão no final do período escolar”. Ele completa, “eles se inserem rapidamente no mercado e chegam à faculdade de forma mais fácil e, na maioria das vezes custeando seus estudos com o salário arrecadado. Espero que possamos potencializar a formação de talentos, para gerar ainda mais riqueza, emprego e renda ao Estado”.
A valorização do Ensino Técnico no Brasil permitirá que tanto na indústria quanto no agronegócio, técnicos habilitados e atualizados estejam atuando, e desde muito cedo. Para o presidente do Sindicato dos Técnicos Agrícolas de Santa Catarina (SINTAGRI), Antônio Tiago Silva, a Frente Parlamentar será um importante espaço para discussão das demandas das escolas. “Os CEDUPs Agrícolas, por exemplo, precisam receber investimentos e novos programas para qualificar a sua formação. Hoje atuamos com drones e não adianta as escolas ainda estarem com bússolas. O Estado conta com 10 mil técnicos agrícolas e 12 escolas que precisam de mais atenção. Através da Frente agora teremos mecanismos para isso”, ressaltou Tiago.
O Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC) de Florianópolis, representado pela reitora Maria Clara Kaschny Schneider, acredita que a união de todos em prol da educação profissional é essencial para resolver as principais questões e desafios da área. “Parabéns ao deputado pela iniciativa. Nosso país ainda tem dificuldade de enxergar a valorização do ensino técnico, comparado com o ensino superior. Precisamos trabalhar por isso”, lembrou Maria Clara.
Lauri João Marconatto, presidente do Conselho Estadual do Ensino Agrícola (CONEA), e também técnico agrícola, disse que a educação é o futuro do país e o resultado dessa educação é o que está sendo apresentado hoje, contudo, para se melhorar a qualidade para as próximas gerações é necessário valorizar os profissionais que estão nas salas de aula.
Nos países desenvolvidos mais de 50% dos jovens entre 15 e 29 anos fazem formação técnica, exemplos como Alemanha e Áustria. “Dentro do processo da jornada estudantil, a formação técnica é fundamental e determinante. O assédio tecnológico hoje que as empresas estão sofrendo, precisam, independente do seu tamanho, de um técnico”, frisou Claudemir Bonatto, da Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (FIESC).
O professor do Centro de Educação Profissional (CEDUP) de Campo Erê, Nelson Rintzel, que está há 31 anos no Ensino Agrícola, colocou que muito do que foi construído em Santa Catarina e nas propriedades rurais, foi promovido com o apoio dos técnicos. “É importante ouvir as escolas, estar próximo, acredito que a Frente Parlamentar e a Secretaria podem juntas nos ajudar”, enfatizou Nelson.
Os deputados Valdir Cobalchini, eleito vice-presidente, Moacir Sopelsa, e Coronel Mocellin, eleito secretário da Frente, estiveram presentes no lançamento.

Posts relacionados

Técnicos da Fatma passam quase metade do tempo respondendo ofícios

Autor

Prestação de contas eleitorais até esta terça

Autor

Geovania pode ser vice em chapa pura do PSDB

Autor