Blog do Prisco
Manchete

Manobra governista destitui Buligon da presidência do PSL de Chapecó

O prefeito de Chapecó, Luciano Buligon, não é mais presidente do PSL na cidade. Ele foi defenestrado num acordo que garantiria, segundo fontes governistas, dois votos a favor de Moisés da Silva na votação do impeachment marcada para esta quinta-feira no plenário da Alesc.

O PSL, pilotado por Buligon, chegou a realizar uma convenção e indicou Vanusa Maggioni como vice de Leonardo Granzotto, do Patriotas. Este partido é liderado pela deputada federal Caroline De Toni.

A destituição de Buligon partiu do presidente estadual do PSL, Fábio Schiochet. Foi a exigência do deputado Altair Silva, do PP, para votar com o governo. Assim, ele levaria o apoio e o tempo de TV e fundo partidário do PSL para o projeto de João Rodrigues, também candidato a prefeito de Chapecó.

Caroline tenta reverter o quadro junto ao presidente nacional do PSL, Luciano Bivar. É complicado, pois Schiochet é ligado a Bivar.

Luciano Buligon foi às redes sociais e dará uma coletiva de imprensa amanhã.

Outra mudança de cenário foi a licença do deputado Rodrigo Minotto, do PDT. Ele é pré-candidato a prefeito de Criciúma e não quer sofrer o desgaste eleitoral de votar com o governo. Assumiu o suplente Cesar Valduga, que também estaria comprometido a votar contra o impedimento, tudo dentro das composições em torno de João Rodrigues em Chapecó.

O prefeito de Chapecó ouviu de Moisés da Silva que esta foi a única maneira de conseguir o voto de Altair Silva, que seria, segundo as contas governistas, o décimo quarto, número que, se for alcançado, é suficiente para salvar o governador.

Buligon evidentiemente está muito contrariado com este vale-tudo. Ouviu de Moisés que só assim, imolando o atual prefeito de Chapecó, ele teria conseguido o 14 voto, número suficiente para livrá-lo do impeachment.

Segue o texto postado por Buligon nas redes sociais.

“Rechaço com firmeza qualquer projeto politico que coloque em risco o futuro da nossa cidade ou que tenha um viés personalista, desejos e caprichos individuais. Essa é uma manobra de políticos vendilhões que querem a Prefeitura de Chapecó a qualquer preço. Não compactuamos com esse tipo de golpe baixo e a população de Chapecó também não vai aceitar. Amanhã ao meio dia estaremos dando uma coletiva para maiores esclarecimentos.”

Posts relacionados

TCE recomenda aprovação das contas do governo em 2019

Redação

Candidato e senador falam em retomada econômica para Blumenau

Redação