Blog do Prisco
Manchete

MPF, PF e RF deflagram Operação Saldo Negativo

Polícia Federal cumpre mandados de prisão contra esquema de fraude em créditos tributários

O Ministério Público Federal (MPF) em Santa Catarina deflagrou na manhã de hoje (5), em conjunto com a Polícia Federal (PF) e a Receita Federal (RF), a Operação Saldo Negativo. Foram expedidos 25 mandados de prisão e 30 de busca e apreensão, além do sequestro de bens, em quatro estados (SC, SP, DF e PR). O objetivo da operação é desarticular uma organização criminosa voltada para a prática dos crimes de corrupção ativa e passiva, estelionato contra particulares, sonegação fiscal e lavagem de dinheiro.

Segundo informação da Receita Federal, mais de 3,5 mil contribuintes já foram vítimas da organização criminosa e cerca de R$ 2,3 bilhões foram sonegados.

De acordo com o inquérito policial, uma empresa sediada em Florianópolis se apresentava aos seus potenciais clientes, devedores de tributos, como detentora de supostos créditos perante a União. Por meio de intermediários, que atuavam como braços operacionais da empresa, os clientes eram convencidos a contratar “serviços de quitação/redução tributária” por meio da aquisição e o uso desses supostos créditos da empresa criminosa perante a Receita Federal, que na verdade eram ilegítimos. Assim, os clientes eram levados a crer que suas dívidas perante o Fisco seriam quitadas pela compensação com os créditos que a organização criminosa alegava ter.

Os clientes aliciados eram convencidos pela empresa de que se tratava de negócio jurídico lícito. Dentre as artimanhas utilizadas pelos criminosos, merece destaque o modelo de contrato de prestação de serviços por meio do qual os “prestadores de serviços tributários” se responsabilizavam integralmente pelas declarações perante a Receita Federal para fins cíveis, administrativos e penais, inclusive mencionando que se responsabilizavam integralmente na “hipótese de problemas” com a Receita Federal.

A partir daí, os contribuintes deixavam de efetuar os pagamentos dos tributos devidos à Receita Federal, passando a pagar mensalmente diretamente aos criminosos os valores correspondentes aos tributos devidos com deságio de 40% a 30%, razão pela qual, de fato, os membros da organização criminosa passavam a ocupar a posição da Receita Federal no recebimento direto dos créditos tributários, mas não recolhiam os tributos devidos ou apenas faziam pagamentos de valores irrisórios à Receita.

Assim, para os clientes da empresa, havia uma aparente situação de regularidade fiscal, porque a conduta fraudulenta dos criminosos permitia até a expedição de Certidão de Regularidade Fiscal. Porém, quando a fraude era constatada pela Receita, o contribuinte sofria com a cobrança integral dos tributos, mais multas, juros e correção monetária, além dos valores pagos aos criminosos mensalmente para o recolhimento dos tributos, os quais nunca eram quitados.

A organização criminosa também contava com o auxílio de um servidor da Receita Federal em Florianópolis, o qual, valendo-se das facilidades de seu cargo, exercia papel relevante para o sucesso da cadeia delitiva, criando números de processos administrativos e juntando pedidos inidôneos para viabilizar a fraude fiscal.

A última etapa do esquema consistia no branqueamento dos valores obtidos com as práticas delitivas de estelionato contra os particulares e de sonegação fiscal em detrimento da União, a fim de dar uma aparência de legalidade aos ativos angariados com as práticas delitivas, bem como a tentativa de “blindagem” patrimonial para impedir cobranças futuras dos contribuintes vitimizados.

Autos nº 5005396-85.2019.4.04.7200 e 5001131-40.2019.4.04.7200

Posts relacionados

Fórum Parlamentar define aplicabilidade do orçamento de bancada

Redação

Senado instala CPI sobre situação de familiares de vítimas do acidente da Chapecoense

Redação

Supermercados de SC têm vendas positivas de 2% no acumulado até maio deste ano

Redação