Blog do Prisco
Artigos

Não compactuo com o nazismo

Daniela Reinehr
Governadora interina de Santa Catarina (sem partido)

“Discordo das posições do meu pai, mas o amo como filha.”

Sou a primeira mulher eleita vice-governadora e, agora, governadora interina do estado de Santa Catarina. Pelo menos esta afirmação é irrefutável. Todo o resto, tentam relativizar. Há um fenômeno curioso na política: em todos os casos, os inconformados, os derrotados ou os que se ocupam em tentar destruir reputações surgem com o propósito de sujar imagens. Não se satisfazem em colocar na discussão um plano de governo: é preciso atacar o aspecto pessoal, revirar o baú familiar, procurar qualquer coisa que seja uma fofoca capaz de saciar apetites.

Muito se questionou sobre a pergunta do meu pai e suas opiniões. Afirmaram que não respondi diretamente. Estava claro, para mim, como sempre esteve essa questão. Não compactuo com o nazismo, assim como rechaço qualquer regime, movimento ou ideologia totalitária que atente contra as instituições democráticas.

Pela segunda vez me senti sendo julgada pelas atitudes dos outros. A diferença, aqui, é que não há o devido processo legal, a possibilidade de defesa e, principalmente, o interesse em ouvir a outra parte —os assassinos de reputação miraram suas canetas para a minha família, não apenas para mim.
Respeito meu pai. Não concordo com seu posicionamento em relação ao nazismo e à relativização do processo histórico. Mas o amo como filha. E todos nós, em nossa intimidade, quando estamos sozinhos, sabemos o que é não concordar com a outra geração —e que é preferível não tocar em determinados assuntos a escolher o caminho do embate, que, certamente, em todos os casos, já foi percorrido.

Espero gastar minhas energias trabalhando por Santa Catarina e pelo Brasil, sem precisar justificar-me. Sei que não foi a primeira vez e nem será a última em que a minha intimidade virá a público. Neste momento me lembro do ensinamento do Salmo 34, quando diz: “Aparta-te do mal, e fazer o bem; procura a paz, e segue-a”.

Em novembro de 2018 desembarquei em Israel a convite da Comunidade Internacional Brasil & Israel para receber o título de Embaixadora Extraordinária da Paz, antes mesmo de assumir o cargo para o qual fui eleita.

Assumo neste momento o governo do Estado interinamente com a proposta e com os ideais que sempre me motivaram: unir Santa Catarina, construir pontes com os municípios e a Assembleia Legislativa, pacificar os ânimos e buscar em Brasília um diálogo que aproxime o estado do governo federal, buscando sempre o melhor para os catarinenses.

 

*Artigo publicado pela Folha de São Paulo
Link: https://www1.folha.uol.com.br/opiniao/2020/10/nao-compactuo-com-o-nazismo.shtml

Posts relacionados

Novo momento para o turismo em Santa Catarina

leander

Fim do horário de verão: mais do que opinião, atenção à saúde da população

Autor

Modernidade e desigualdade: um dilema do nosso tempo

Autor