Blog do Prisco
Notícias

Paralisação dos caminhoneiros derruba volume de vendas do comércio catarinense em maio

A paralisação dos caminhoneiros teve impactos profundos no volume de vendas e na receita no mês de maio em Santa Catarina, conforme aponta a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), realizada pelo IBGE. O comércio varejista restrito catarinense apresentou queda de 4,2% em relação a abril, o maior recuo nesta comparação desde junho de 2015 (-4,6%). A receita nominal também caiu 2,5%.

O estado teve o pior resultado do país na passagem de abril para maio, empatado com Rondônia. De acordo com sondagem realizada pela Fecomércio SC, a paralisação afetou quase 80% dos empresários em Santa Catarina.

Se comparado a maio de 2017, o varejo em SC registrou alta de 6,1% no volume de vendas e de 9,2% na receita. Os segmentos mais prejudicados no período foram o de equipamentos de escritório e material de informática (-23,2%); eletrodomésticos (-14,1%), combustíveis e lubrificantes e material de construção (-7,7%). Por outro lado, hipermercados e supermercados mantém índices favoráveis, com alta de 19,6% na comparação com maio de 2017.

“O comércio catarinense está no positivo desde novembro de 2016, na tentativa de recompor as perdas provocadas pela recessão. Mas tanto SC, quanto o país, sentiram no caixa de seus estabelecimentos os efeitos da paralisação. Os segmentos de combustíveis amargam quedas que não se viam há 2 anos, no comparativo com o mesmo mês do ano anterior. O varejo deve apresentar melhores resultados nos próximos meses, mas com volume não tão expressivo. A expectativa é de recuperação da confiança e 2019, passada as incertezas políticas”, analisa o presidente da Fecomércio SC, Bruno Breithaupt.

Leia mais: Inflação de junho disparou após greve dos caminhoneiros

Apesar do resultado pontual negativo, o indicador de tendência (acumulado de 12 meses) mostra variação de 12,2% nas vendas em maio, equilibrado ao percentual registrado no mês anterior (12,7%). O volume está há 15 meses no positivo, oito meses seguidos acima dos 10%. A receita cresceu 11,5% no mês, equilibrado com abril (11,7%). Já no comércio varejista ampliado, que leva em consideração o varejo de material de construção e veículos, a variação foi positiva em 15,3% e 14,6%, respectivamente.

Varejo brasileiro

O comércio varejista brasileiro registrou alta de 2,7% no volume de vendas e de 4,1% na receita, em relação ao mesmo mês do ano passado. Já no acumulado de 12 meses, o resultado do volume de vendas fechou com alta de 3,7% e a receita nominal atingiu 3,1%.

Posts relacionados

Leci Brandão na campanha de Angela Albino

Autor

Aliado de Kleinübing, Santiago deixa Celesc

Autor

PP do Sul se une para tirar Ciro Nogueira da presidência nacional do partido

Autor