Blog do Prisco
Manchete

Paulinho sai do Podemos atirando

O ex-deputado Paulo Bornhausen saiu atirando pesado contra a direção do Podemos, leia-se Camilo Martins, o ex-prefeito de Palhoça.

Paulinho, registre-se, fortaleceu o partido em Santa Catarina. A direção nacional, no entanto, o abandonou nesta hora decisiva das definições com vistas ao pleito de outubro.

Segundo ele, o Podemos virou um “balcão de negócios”. Nos bastidores, corre a informação de que o partido foi negociado com Moisés da Silva. Se e o governador não se filiar, e parece que não vai, seu destino seria mesmo o Republicanos, o Podemos servirá como apêndice para Moisés da Silva, uma sigla onde ele abrigaria alguns candidatos a deputado.

É sabido que o Republicanos, sozinho, não elegerá grande contingente de parlamentares. Dois ou três estaduais, no máximo, e um federal. O Podemos viria para suprir, de alguma maneira, essa lacuna.

A questão agora é saber como ficará o partido, que tem lideranças importantes.  A mais importante, o prefeito de Blumenau, Mário Hildebrandt, não se manifestou a respeito. Tem agenda administrativa em Brasília, onde pode vir a fazer contatos político-partidários.

O chefe do Executivo de Balneário Camboriú, Fabrício Oliviera, anunciou que fica no partido. Há quem leia nessa mensagem o prenúncio de que o alcaide de BC poderá compor de vice do governador, numa aliança entre Republicanos e Podemos.

Camilo Martins, em que pesem as críticas de Paulo Bornhausen, mostrou sua força na articulação política. Paulinho, a seu turno, mais uma vez fica a ver navios. Ele estruturou o PSB no estado e perdeu o partido. A história se repete agora com o Podemos.

Paulinho estuda voltar ao PSD ou assinar no União Brasil, de Gean Loureiro, o que parece mais palatável neste momento.

De qualquer forma, o herdeiro do clã Bornhausen vai para sua sétima sigla, seguindo a escola de Dário Berger.

foto>divulgação