NotíciasÚltimas

Retomada do consumo é lenta em Santa Catarina

Indicadores são apurados mensalmente pela Fecomércio SC

A confiança do empresário e o endividamento melhoram em abril, mas o consumo reage lentamente em Santa Catarina, conforme aponta os três indicadores apurados pela Fecomércio SC.

“O processo de recuperação econômica em Santa Catarina está em curso desde o último quadrimestre do ano passado. Embora os resultados estejam ainda inferiores ao período pré-crise, os catarinenses estão mais confiantes e o Estado está na rota da retomada, com números consistentes de volume de vendas e desaceleração do desemprego”, analisa o presidente da Fecomércio SC, Bruno Breithaupt.

A Federação disponibiliza os três indicadores mensalmente no site. O ICEC e ICF são levantados pela entidade desde 2010 e a Peic desde 2013.

CONFIANÇA

O Índice de Confiança do Empresário do Comércio (ICEC) voltou a subir em abril, tanto em relação a março (0,5%), quanto ao mesmo período de 2017 (6,6%), atingindo 109,1 pontos, em uma escala de 0 a 200. Enquanto o subíndice que mede a expectativa do empresário (IEEC) apresenta o melhor resultado (152,6), os dados sobre as condições atuais (ICAEC) são os mais baixos (85,2), mas já registram alta de 11% no ano.

Para analisar o humor do mercado e as prospecções, o indicador leva em consideração a situação atual da economia, do setor e das empresas do comércio, nível atual e futuro de investimentos, situação dos estoques, entre outras variáveis. Os dados podem ser utilizados como ferramenta de gestão para o varejo, fabricantes, consultorias, instituições financeiras e governo.

ENDIVIDAMENTO

O percentual de famílias endividadas em Santa Catarina no mês de abril caiu pela segunda vez consecutiva neste ano e registrou o menor índice (54,9%) desde setembro de 2015. A Pesquisa de Endividamento e Inadimplência (PEIC) aponta que o endividamento recuou 1 p.p no mês e 6,1 p.p no ano.

A variação nos outros indicadores foi expressiva na comparação anual: de 21,8% para 17,9% nas Dívidas ou contas em atraso e de 12,1% para 9% no Não terão condições de pagar.

Entre os principais tipos de dívida, o cartão de crédito continua responsável pela maior fatia (53,2%), seguido pelos carnês (40,2%), financiamentos de carro (30,9%) e financiamento de casa (20,8%).

Realizada em cinco cidades (Blumenau, Chapecó, Florianópolis, Itajaí e Joinville), a PEIC mensura o nível de saúde financeira dos catarinenses e pode ser utilizada pelos empresários para auxiliar nas estratégias de vendas e investimentos.

CONSUMO

A Intenção de Consumo das Famílias Catarinenses atingiu 91,7 pontos em abril, resultado considerado insatisfatório em uma escala de 0 a 200. O índice mantém estabilidade a nível mensal (0,55%), mas caiu no comparativo anual (-2,5%).

Apesar de o comércio catarinense estar no positivo há quase um ano e meio, a alta no volume de vendas ainda não disseminou em todos os segmentos, como o de bens duráveis. O subíndice Momento para duráveis (67,2) cresceu 6,3% na passagem do mês, mas caiu 26,5% no ano. Desde 2015, os consumidores estão menos disposto a adquirir itens de maior valor, como móveis e eletrodomésticos.

As expectativas dos catarinenses, no entanto, são mais positivas: a Perspectiva de Consumo registrou 104,8 pontos, com expressiva alta anual (97,4%) pelo quinto mês consecutivo, e o Acesso ao Crédito apresentou 106,8 pontos, avanço de 20,1% no ano, impulsionado pela queda nas taxas de juros.

O indicador pondera uma série de fatores, cojmo situação atual e perspectiva de emprego, renda, acesso ao crédito e nível de consumo, para medir a capacidade de consumo das famílias catarinenses.