Blog do Prisco
Destaques

Sindicarne: deficiências logísticas afetam competitividade de SC

O agravamento das deficiências infraestruturais e logísticas de Santa Catarina está determinando a fuga de investimentos das agroindústrias. Esse fato deveria acender o sinal de alerta para o Governo na avaliação do presidente do Sindicato das Indústrias da Carne e Derivados no Estado de Santa Catarina (Sindicarne), José Antonio Ribas Júnior.

Ao fazer uma avaliação do ano recém-encerrado e formular previsões para 2024 no âmbito do agronegócio – e em especial na esfera das agroindústrias da proteína animal – o dirigente manifestou preocupação com a deteriorização da infraestrutura: “Chegamos a um ponto em que agora, de fato, os investimentos não ficarão mais em Santa Catarina. Não é mais uma questão de tendência, de fazer as contas certinhas e perceber que não faz sentido investir aqui em razão do  custo futuro logístico e a perda de competitividade perante outros estados, como Mato Grosso do Sul, Paraná, Mato Grosso, que estão fazendo investimentos em logística muito maiores e que permitirão ter uma condição muito mais favorável.”

A preocupação do Sindicarne e do empresariado é que as deficiências logísticas estão afetando a competitividade do agronegócio catarinense, especialmente no que se refere às condições das rodovias, portos, aeroportos e ferrovias. “A gente enxerga um futuro que, no máximo, levará Santa Catarina a manter o tamanho que tem e não mais observar crescimentos de produção, porque não consegue ter mais competitividade que seja atrativa para novos investimentos.”

Ribas adverte que as deficiências infraestruturais precisam ser atacadas com um grande plano de investimentos para evitar a fuga das agroindústrias. “A logística afeta diretamente o preço pago pelo consumidor final. É importante que as pessoas saibam disto. Rodovias ruins, tráfego de longo percurso com veículos de carga, carência de infraestrutura aeroportuária e praticamente inexistência do modal ferroviário no Brasil aumentam o custo dos produtos e a produtividade das empresas.”

GIGANTE

Para Ribas Júnior “só quem não conhece a dimensão do agronegócio em geral e da agroindústria catarinense, em particular, pode ignorar a gravidade da situação”. O agronegócio catarinense representa 31% do PIB estadual e contribui com 70% das exportações. Santa Catarina é o maior produtor brasileiro de suínos e detém a vice-liderança na produção de aves. Ancorado no grande oeste catarinense, o parque agroindustrial sustenta 60.000 empregos diretos e 480.000 indiretos.. Em 2022 os investimentos diretos totalizaram R$ 5 bilhões e a geração de movimento econômico chegou a R$ 7 bilhões – dinheiro que irriga a economia de centenas de municípios catarinenses.

Depois de realçar que Santa Catarina é um estado rico com a excelência na produção de proteína de aves e suínos, liderança em exportações, as melhores certificações, os melhores mercados atendidos, lamentou que o estado sofra com absoluto descaso no investimento em estrutura logística. “Nossas rodovias estão em péssimas condições de conservação, de trafegabilidade, e continuamos andando de lado, na melhor das hipóteses, em relação a termos uma ferrovia, e com os nossos portos aí enfrentando dificuldades”. O Porto de Itajaí não está operando e as condições climáticas determinam, com certa frequência, o fechamento temporário dos outros portos.

Ribas defende um plano de Estado no horizonte de 50 anos “para virar o jogo do desenvolvimento nacional e melhorarmos a competitividade no mercado externo e, assim,  menores preços no mercado interno”. Lembra que o agronegócio catarinense está reivindicando há mais de 30 anos a construção de Ferrovias. Uma, ligando o oeste de SC ao centro-oeste brasileiro para a busca de milho; outra, ligando o oeste de SC com o litoral catarinense para acesso aos portos.

O modal ferroviário, comprovadamente, possui menores custos ao rodoviário, quando o trajeto for superior aos 350 quilômetros de distância. Para produção de proteínas, Santa Catarina traz insumos (5 milhões de toneladas/ano de milho e soja) do Mato Grosso ou Mato Grosso do Sul por modal rodoviário, em uma operação ida-volta de mais de 2.000 quilômetros. Mesmo desafio reside no escoamento da produção do Oeste catarinense para os portos do Estado. “Isso é contraproducente porque os custos se tornam elevados, por isso as duas ferrovias reivindicadas resolveriam esse gargalo.”

Para apoiar e agilizar a campanha, oito entidades empresariais criaram o Movimento Pró-Ferrovias – Sindicarne/Acav, Faesc, Fiesc, Ocesc, Acic, ABPA, Centro Empresarial e Facisc – abraçado pelo Governo do Estado.  A ferrovia é uma solução, porque o modal rodoviário de longa distância está se tornando inviável. Além disso, nos últimos 10 anos a média de emissão de novas carteiras de motoristas profissionais de carga caiu em 22% e a idade média desses profissionais subiu para 53 anos. O presidente do Sindicarne teme que “se não agirmos rapidamente, o Brasil terá um colapso logístico por falta de mão de obra e/ou elevação de custos”.

Posts relacionados

MPSC lança terceira edição do Prêmio José Daura

Redação

Jorginho Mello se reúne com o presidente da Assembleia da República de Portugal

Redação

Cobalchini assume presidência do MDB catarinense

Redação