Blog do Prisco
Image default
Manchete

Bolsonaro conta com apoio de governadores de Sul e Sudeste

O sábado, 16, foi de trabalho para os governadores de seis dos sete Estados das regiões Sul e Sudeste deste país. Juntas, estas unidades federadas respondem por 70% da riqueza gerada no Brasil.

Os governadores presentes, incluindo-se Moisés da Silva, mais Eduardo Leite (RS), João Doria (SP), Wilson Witzel (RJ), Renato Casagrande (ES) e Romeu Zema (MG), decidiram formar um consórcio para desenvolver atuações conjuntas em 10 áreas prioritárias. Os mandatários chamaram a união de Cosud.

O governador catarinense aproveitou o momento para defender o fim da guerra fiscal entre os estados do Cosud. A disputa para atrair novas empresas e investimentos não é algo simples nem fácil de se resolver.

O discurso de Moisés da Silva, contudo, faz todo sentido. A grande polêmica deste primeiro trimestre, que deve se arrastar até antes do recesso de julho na Assembleia, são justamente os decretos que põem fim a benefícios fiscais a mais de 11 mil empresas instaladas no território Barriga-Verde.

Para além do Cosud, o pano de fundo da reunião sabática dos seis governadores é a reforma da Previdência, matéria polêmica e que vai precisar de todo o apoio para sua aprovação.

Todos os presentes defenderam as mudanças propostas pelo time econômico e avalizadas por Jair Bolsonaro. Moisés da Silva foi enfático ao defender o pacote previdenciário.

Digitais

Aliás, consta que o próprio presidente da República articulou o encontro dos governadores de Sul e Sudeste. Ganhou um reforço de peso, peso de 70% do PIB nacional, para pressionar os congressistas destes Estados.

Politicamente, Bolsonaro também tem todo o interesse no Cosud. A união de Sul e Sudeste faz o contraponto perfeito, e com musculatura, aos governadores nordestinos que, em sua esmagadora maioria, são contra o atual governo.

FRASE

“Santa Catarina apresenta apoio incondicional à reforma por entender que o desenvolvimento do nosso Estado e da nossa região passa pelo investimento estrangeiro, pela confiança do empresariado e tudo isso passa pela reforma da previdência.”  Moisés da Silva durante a reunião do Cosud

Ausente

Dos setes Estados das duas regiões, apenas o governador do Paraná, Ratinho Junior, não compareceu à reunião. O paranaense alegou problemas de agenda. Balela. O encontro ocorreu no sábado e foi agendado com antecedência. Ratinho não foi porque não quis. Resta saber como ele ficará agora perante os colegas e sobretudo nas relações com o Palácio do Planalto.

 

 

 

Posts relacionados

Agronegócio responde por 70% das exportações catarinenses em 2019

Fabian Oliveira

FECAM, COSEMS E MPF/SC cobram do Ministério da Saúde a manutenção do Programa Mais Médicos

Fabian Oliveira

Presidente da OAB/SC comemora vaga catarinense no CNMP e sucessivas vitórias da advocacia do Estado

Fabian Oliveira