Blog do Prisco
Coluna do dia

Contra o impeachment

Amigo pessoal de Jair Bolsonaro há mais de 30 anos, o deputado federal Rogério Peninha Mendonça, emedebista de quatro costados, se manifestou publicamente contra o processo de impeachment de Moisés da Silva e da vice-governadora, Daniela Reinehr.

Como é deputado federal, Peninha não votará pela cassação ou não dos mandatos, o que deve ocorrer nos próximos dias na Assembleia Legislativa.

Peninha é ligado ao deputado estadual Jerry Comper, que tem sido agraciado com muita atenção por parte do Centro Administrativo, algo bem incomum em se tratando de deputados estaduais. Quase dá pra dizer que Comper é um privilegiado. Pelo menos era até antes da pandemia.

O governo apostou nele para fazer um contraponto à oposição ferrenha do deputado Milton Hobus, do PSD. Comper e Hobus têm base política no Alto Vale do Itajaí. O MDB tem nove votos na Alesc e pode ser o fiel da balança, tanto para um lado como para o outro.

 

Forçando a barra

Seguem dois trechos da nota do deputado Peninha: “em relação ao aumento dos procuradores, ele nada mais fez do que cumprir decisão judicial – ato referendado pelo Ministério Público e também pelo Tribunal de Contas. A inclusão da vice, então, é uma “forçação de barra” jamais vista na história política de Santa Catarina.”

 

Timing

“Outro ponto importante: seria agora, em meio a uma pandemia, o momento adequado para enfrentarmos uma crise política sem precedentes na nossa história? Não vejo mobilização da sociedade catarinense pelo afastamento do governador e da vice,” assinalou o parlamentar emedebista.

 

Vaticínio

O afastamento do governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, determinado pelo relator do caso e depois confirmado por 14 contra 1 no plenário do STJ, pode ter sido emblemático. Matéria publicada pelo site da Revista Veja aponta que pelo menos mais dois mandatários estaduais podem ser afastados por envolvimento em falcatruas durante a pandemia.

 

Colegiado

Provavelmente, por tratar-se de governadores, não deverão ser afastados novamente por decisão monocrática (um ministro). A apreciação será do colegiado da Comissão Especial do STJ. Há cinco governadores na mira da Polícia Federal atualmente. Ou seja, se a Revista estiver certa, três permanecerão no cargo e dois sofrerão afastamento. Moisés da Silva está entre os cinco investigados pela PF.

 

Terceira vez

A convenção do PSOL confirmou a candidatura do professor Elson Pereira a prefeito de Florianópolis. Definição ocorrida no domingo à noite, com reunião presencial dos membros do diretório e transmissão pela internet.

A vaga de vice ficou em aberto. Pereira e o PSOL aguardam a definição da frente de esquerda, que reúne vários partidos, inclusive o PT, o PSB e o PDT; e alguns minúsculos. Esta será a terceira candidatura do professor, que já fez duas votações expressivas. Em 2016, ele conquistou 20,06% dos votos, ficando na terceira colocação.

 

MDB de vice

O feriado de 7 de setembro foi de conversas internas entre a direção do PL e do MDB de Blumenau buscando entendimento sobre possível coligação para as eleições municipais. O tema reuniu o deputado estadual e presidente do PL local, Ivan Naatz e o presidente do MDB,  Daniel Hostin, além da médica oncologista  Liziane Anzanello , cotada para a candidatura a vice na chapa em caso entendimento.

 

Falta o carimbo

Segundo as duas lideranças, as conversas estão adiantadas.  E conforme Liziane, a oficialização do acordo está praticamente garantida, só dependendo agora de ajustes internos partidários até a realização das convenções municipais. A do PL está prevista para o dia 12 de setembro e a do MDB para dia 13.

Posts relacionados

Rearranjo latente

Autor

Temer não vem

Autor

Imersão

Autor