Blog do Prisco
Manchete

Data venia!

O Diário Oficial de Justiça de ontem trouxe uma informação estarrecedora. Assustadora. Quase inacreditável. A publicação noticiou a quem interessar possa que o Órgão Especial do TJSC havia sido convocado para reunir-se no dia 7 de agosto, às 9h. Em pauta, um pleito inominável: aprovar a isenção de Imposto de Renda incidente sobre as férias usufruídas e a licença-maternidade de juízes e juízas!

Medida que retroagiria 10 anos, levando os cofres públicos a devolverem aos magistrados os valores atualizados com juros e correção monetária! Isso chegaria à casa dos milhões de Reais no passivo requerido e isentaria os senhores e senhoras juízes de pagar o IR futuramente nestas duas situações, elevando exponencialmente a conta.

O pleito partiu, vejam só, da Associação dos Magistrados Catarinenses (AMC). Diante da grande repercussão negativa nos bastidores do poder estadual, a tal proposta já teria sido retirada da pauta. Mas dá calafrios só de imaginar que tal intenção evoluiu para chegar ao ponto de ser pautado para o Órgão Especial do TJSC!

Contencioso

O Imposto de Renda é tributo federal. Caso o TJSC venha a apreciar em algum momento e a aprovar essa isenção inaceitável, certamente entraria numa celeuma jurídica da União. Tendo a AMC numa das pontas. Tomara que o assunto fique mesmo fora da pauta do Tribunal ad aeternum. Até porque isso veio à tona no momento em que o governador do estado trava uma batalha política para reduzir o valor mensal repassado aos demais poderes, Judiciário incluído (o chamado duodécimo), visando a ter melhores condições de investir na ponta, no atendimento ao cidadão.

Posts relacionados

Deputadas pedem cassação de Jessé Lopes

Redação

CPI dos Respiradores pode antecipar relatório final

Redação

Jorginho cada vez mais próximo de Bolsonaro

Redação