Blog do Prisco
Destaques

DEM tenta esvaziar o PSD

O DEM vai cumprir papel estratégico, aliás, já está cumprindo, com vistas ao pleito estadual do ano que vem. Em Santa Catarina, o partido é pilotado por Paulo Gouvêa da Costa, ex-deputado federal, fiel escudeiro de Vilson Kleinübing enquanto este esteve vivo e atualmente primeiro suplente do senador Dário Berger.

Historicamente, a seção Barriga-Verde do Democratas sempre esteve mais próxima do PSDB, eixo que começou a mudar de rotação na eleição de 2014, quando o partido já esteve com o PMDB. Naquele ano,  o PSDB ficou com o PP, formando a chapa com Paulo Bauer ao governo e Joares Ponticelli de vice.

E tudo indica que o DEM novamente estará com o PMDB em 2018. A partir de articulações que envolvem Gouvêa da Costa,  próprio Dário Berger e outros cardeais peemedebistas,  o Democratas está tentando tirar lideranças importantes do PSD, enfraquecendo a sigla de Raimundo Colombo e Gelson Merisio. Para, consequentemente,  fortalecer o PMDB. Há muitas cartas nas mangas, mas elas já estão sendo jogadas e o projeto do DEM em SC é este: ser uma linha auxiliar importante para o Manda Brasa voltar a comandar o Estado.

História e estratégia

Rodrigo Maia, político que exerce papel de destaque e estratégico na atualidade,  é do DEM. Vale lembrar que a transição do PFL para o DEM foi conduzida Jorge Konder Bornhausen (E), que por 15 anos presidiu a Frente Liberal. O catarinense sempre levava a melhor na queda-de-braço sobre o falecido Antônio Carlos Magalhães, porque tinha como aliado indissociável o ex-senador e ex-vice-presidente por oito anos na era FHC, Marco Maciel.

Renovação

Quando liquidaram o PFL, lá em 2007, Bornhausen e aliados criaram o DEM. O primeiro presidente da nova sigla foi justamente Rodrigo Maia, hoje presidente da Câmara dos Deputados. JKB escolheu o filho de César Maia como alternativa de renovação, no contexto daquele momento.

Distanciamento

Depois, Jorge Bornhausen e os Maia se distanciaram por divergências internas. Mais recentemente, houve uma reaproximação entre os clãs. Que não deixa de ser muito estratégica. Rodrigo Maia é o primeiro na linha sucessória presidencial. Pode vir a ser presidente interinamente, como Michel Temer foi após o afastamento de Dilma (que foi julgada pelo Senado), se a Câmara autorizar o processo contra Temer no STF.

Projeções

Caso Michel Temer venha a ser julgado e afastado, Maia poderá convocar eleições indiretas em 30 dias e ele próprio pode conduzir o processo para se eleger e seguir na presidência na perspectiva de concluir o mandato até o final de 2018. O presidente da Câmara, por tanto, passa a ter um papel ainda mais estratégico quando o assunto são as eleições do próximo ano. Com reflexos óbvios nos Estados.

 

Posts relacionados

Oito Comarcas suspendem prazos processuais no Estado

Autor

Governador recebe até vereadores, menos os deputados do Sul

Autor

João Amoêdo e Bernardinho em SC

Autor