Blog do Prisco
Destaques

Encontro de prefeitos do MDB-SC foca eleições de 2020

O MDB-SC deu uma demonstração de força neste sábado (30) no terceiro Encontro de Prefeitos e Vices do partido, realizado em Porto Belo. Além do presidente estadual da sigla, deputado federal Celso Maldaner, do vice Edinho Bez (ex-deputado estadual) e do ministro da Cidadania, Osmar Terra, o evento para troca de experiências municipais reuniu os ex-governadores Paulo Afonso e Eduardo Pinho Moreira, o senador Dário Berger e o deputado estadual Fernando Krelling.

A parcela expressiva dos 102 chefes de Executivo municipais e 60 vices (ou seus representantes) catarinenses reunida no Hotel Morro do Sol ouviu Maldaner lembrar que a participação de cada um será crucial para o partido atingir a meta de eleger 102 prefeitos, 90 vices e mil vereadores em 2020. O presidente garantiu que o diretório estadual não vai medir esforços para isso:

– Estamos desde julho percorrendo o Estado para agrupar e motivar a militância e analisar o cenário nos municípios. Em fevereiro, detalharemos nosso plano de trabalho, estabelecendo objetivos por região e munindo nossos candidatos com dados do que o MDB já fez em cada cidade – disse.

O senador Berger ressaltou o quanto vem atuando em Brasília para liberar recursos para as prefeituras e saudou o deputado Krelling como “futuro prefeito de Joinville”. A indicação foi endossada pelo atual mandatário do maior município de Santa Catarina, Udo Döhler, um dos painelistas do encontro. Ele mostrou situação que o pré-candidato irá herdar, apresentando as principais conquistas de seus dois mandatos.

– Dizem que a pressa é inimiga da perfeição, mas em política é o contrário. Ela é amiga, porque temos que atender as demandas da população do jeito mais rápido e eficiente possível – receitou.

O outro painelista, o anfitrião Emerson Stein, também fez uma alentada exposição de como encontrou em Porto Belo antes de assumir e o que pretende fazer nos próximos quatro anos, já que concorrerá à reeleição. O evento se encerrou com o ministro Terra confiante de que “o pior já passou” e acenando com a possibilidade de aumentar os repasses da União.

– Temos que discutir o pacto federativo, não dá mais para Estados e municípios contribuírem tanto e ficarem com a menor fatia do bolo – afirmou o ministro da Cidadania, ecoando uma bandeira que já era levantada pelo governador e senador Luiz Henrique da Silveira e hoje defendida pela bancada emedebista catarinense no Congresso.

 

Posts relacionados

TJ determina retorno de Cesar Faria à Câmara

Autor

Merisio explica recuo no duodécimo

Autor

Carmen diz que “pressa” em votação prejudicou o setor de saúde no orçamento

Redação