Blog do Prisco
Destaques

PEC que prevê homologação prévia das PPPs é natimorta, diz advogado

PEC, de autoria do deputado Milton Hobus, é mais um entrave à implementação de parcerias público-privadas em Santa Catarina

A proposta de emenda constitucional do deputado Milton Hobus que prevê aprovação prévia da Assembleia Legislativa aos projetos de parcerias público-privadas, “é natimorta”. A declaração é do advogado Tiago Jacques, especialista em licitações e contratos do escritório Cavallazzi, Andrey, Restanho e Araujo. Segundo ele, “outras unidades da federação já tiveram declarada a inconstitucionalidade de norma com conteúdo idêntico ao da PEC 02/2019.
O STF já reconheceu na ADI 462/BA, por unanimidade, a inconstitucionalidade de dispositivo da Constituição da Bahia, que previa a necessidade de autorização da Assembleia Legislativa para a concessão e permissão de serviço público. Ou seja, observa o advogado, “a PEC está em descompasso com todas as recentes inovações legislativas, especialmente a nova Lei de Parcerias Público-Privadas, que tramita em estágio avançado no Congresso Nacional.
Outro caso semelhante ocorreu em Minas Gerais, quando o STF declarou inconstitucional o artigo 179 da Lei Orgânica do Município de Ubá, que condicionava a concessão ou permissão de serviço público à prévia autorização do legislativo, por entender a norma violava o princípio da separação, independência e harmonia dos poderes. “Os precedentes são inúmeros”, diz Jacques.
Além da inconstitucionalidade da proposta, a PEC do deputado Hobus “sinaliza aos investidores de que em Santa Catarina o ambiente para negócios não é seguro e retira o Estado do cenário nacional das PPPs e concessões, que já é realidade em São Paulo, Bahia e Minas Gerais”. Não por acaso, diz Jacques, “por aqui não existe sequer um contrato assinado até hoje”.

Posts relacionados

Colatto participa do lançamento do Plano Safra da Agricultura Familiar

Autor

Defensoria Pública assegura fornecimento de água a inquilino portador de câncer

Redação