Blog do Prisco
Coluna do dia

Unificação

Unificação

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) apresentada pelo deputado Rogério Peninha Mendonça (MDB), que unifica as eleições no país, teve parecer favorável do relator na Comissão de Constituição e Justiça e Cidadania (CCJC). Conforme o texto apresentado pelo deputado Valtenir Pereira (MDB/MT), a PEC é constitucional. Muita gente ainda duvida, mas o texto tem avançado e é necessário que se aprove o quanto antes.

“O primeiro passo foi dado. O parecer favorável do relator já indica que teremos boas chances de aprovar a minha proposta na CCJC. Muita gente tem me procurado para manifestar apoio na busca dos votos necessários para isso e tenho dito que a pressão neste momento precisa ser sobre os que são membros da Comissão. Essa é uma etapa fundamental, precisamos da maioria para que a PEC avance para a Comissão Especial”, comenta Peninha.

Celeridade

O próximo passo da tramitação depende do presidente da CCJC, deputado Felipe Francischini (PSL/PR). A PEC 56/19, apresentada por Peninha, foi apensada à PEC 376/09, numa manobra para dar mais musculatura e rapidez ao andamento da proposta. “Juntamos três textos que tratam do mesmo tema, trouxemos mais parlamentares para o debate e pulverizamos o protagonismo entre eles”, explica o autor.

Custo

As eleições do ano passado custaram cerca de R$ 900 milhões. Segundo Peninha, com esse dinheiro seria possível construir 400 creches, comprar 3,5 mil ambulâncias com UTI móvel ou ainda pagar o salário de 15 mil policiais por um ano. “Qual é a prioridade para nós, brasileiros, nesse momento? Educação, saúde e segurança, ou eleição?”, conclui.

Dois anos

De acordo com a PEC, os mandatos dos atuais prefeitos e vereadores serão prorrogados por dois anos, para que a partir de 2022 todos os cargos sejam escolhidos em pleito único, de vereador a presidente da República. A tramitação pode ser consultada em tempo real no site da Câmara dos Deputados.

Repúdio

Representantes do fisco nacional estão reagindo publicamente contra a mudança, aprovada pelos deputados, que limita o poder de atuação deles nos casos de corrupção.

“O Sindifisco Nacional – Delegacia Sindical Florianópolis, que representa os auditores fiscais da Receita Federal em Santa Catarina, repudia a alteração na MP 870/2019 que limita a atuação dos profissionais nos crimes tributários. O texto ainda proíbe que indícios de crimes não tributários encontrados pelos auditores sejam compartilhados com outras autoridades sem autorização judicial.”

Prejuízo

A crise na saúde em Santa Catarina passa dos R$ 600 milhões. Vários são os motivos que levaram a esse défcit, entre eles, a judicialização de ações objetivando o fornecimento de remédios para a população. As demandas com essas ações na saúde somam R$ 220 milhões somente neste ano, um montante que seria suficiente para manter os 13 hospitais do Estado operando plenamente por mais de dois meses.

Percentual

Segundo o assessor Jurídico da Secretaria de Estado da Saúde, Felipe Barreto de Melo, os cofres públicos desembolsaram 15% a mais para pagar os medicamentos e serviços médicos de pessoas que não conseguiram através do procedimento comum e precisaram recorrer à Justiça. “Quando há um pedido na justiça a Secretaria tem que realocar os recursos de outros programas de saúde para custear as judicializações, pois elas não estão no planejamento orçamentário da secretaria”, explica Felipe.

Posts relacionados

Avanços eleitorais

Autor

PSDB com PP

Autor

Renan no cadafalso

Autor